Sem Categoria

“Se pudesse faria Justiça com minhas próprias mãos”, diz tia de pedreiro

A família do pedreiro Antônio Marcos Rodrigues de Souza, morto com golpes de tesoura na manhã desta segunda-feira (7), na Avenida Mato Grosso, quer Justiça para o crime. Ainda muito abalada, a tia de Antônio, Denise Faustino, de 53 anos, disse ao Jornal Midiamax que o sobrinho e o irmão moravam sozinhos, já que a mãe […]

Thatiana Melo Publicado em 07/05/2018, às 09h48 - Atualizado às 11h49

None

A família do pedreiro Antônio Marcos Rodrigues de Souza, morto com golpes de tesoura na manhã desta segunda-feira (7), na Avenida Mato Grosso, quer Justiça para o crime. Ainda muito abalada, a tia de Antônio, Denise Faustino, de 53 anos, disse ao Jornal Midiamax que o sobrinho e o irmão moravam sozinhos, já que a mãe de Antônio morreu há cinco meses, vítima de um câncer. “Ele (Antônio) ajudava meu irmão nas contas da casa, era um rapaz trabalhador”, contou Denise.

Revoltada, Denise reclama da violência. “Se pudesse, faria Justiça com minhas próprias mãos”.

O pai, João Roberto Faustino de Souza, muito abalado e com as mãos ainda sujas com o sangue do filho, não conseguiu dizer muitas palavras. Ele contou que ficou em choque no momento e não sabia se ajudava o filho ou corria atrás do bandido, que conseguiu fugir a pé para a Esplanada Ferroviária.

Pai de adolescente tentou prender o ladrão

A adolescente – vítima do ladrão- ligou em seguida para o pai contando o que havia acontecido. O homem, então, voltou para socorrer a garota e acabou indo atrás do ladrão depois que a filha passou as características físicas dele.

O homem chegou a encontrar o bandido, mas o ladrão fingiu estar armado e, com medo, o pai da moça recuou. O autor pulou o muro da Feira Central e fugiu. “O que ele (Antônio) fez foi um ato heroico, mas nenhum celular vale uma vida”, disse o pai da adolescente.

Ele contou que a filha está muito abalada e com medo de tudo que aconteceu. A adolescente ia para a faculdade quando foi abordada pelo ladrão.

Segundo informações do Tenente Claudemir da Polícia Militar, o autor do crime é foragido da Justiça e foi identificado pelas imagens de segurança obtidas de uma loja de roupas que flagrou o assassinato.

O caso será encaminhado para a DERF (Delegacia Especializada na Repressão dos Crimes de Roubos e Furtos) e foi registrado como latrocínio.

A morte

Antônio estava indo trabalhar de bicicleta, na companhia do pai- os dois são pedreiros-, quando viu uma moça sendo assaltada. Antônio atravessou a rua para ajudá-la quando levou um golpe de tesoura no pescoço. O pai viu o filho sendo morto no local. O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas ele acabou morrendo no local.

Jornal Midiamax