Sem Categoria

Exportações de industrializados batem novo recorde e chegam a US$ 2,67 bilhões

A receita das exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul voltou a bater um novo recorde histórico nos primeiros 11 meses deste ano ao atingir a marca de US$ 2,67 bilhões, superando em 27% o valor obtido no acumulado de todo o ano passado (US$ 2,11 bilhões) e em 97% o montante alcançado […]

Arquivo Publicado em 21/12/2011, às 11h50

None

A receita das exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul voltou a bater um novo recorde histórico nos primeiros 11 meses deste ano ao atingir a marca de US$ 2,67 bilhões, superando em 27% o valor obtido no acumulado de todo o ano passado (US$ 2,11 bilhões) e em 97% o montante alcançado no ano de 2009 (US$ 1,36 bilhões), conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems com base nos dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).


Apenas na comparação com o mesmo período do ano passado, as receitas totais registraram crescimento de 39,7%, saltando de US$ 1,7 bilhão de janeiro a novembro de 2010 para US$ 2,67 bilhões nos 11 primeiros meses deste ano.


Na avaliação do presidente da Fiems, Sérgio Longen, com o desempenho registrado ao longo deste ano, é possível afirmar que as exportações de industrializados do Estado vão fechar 2011 muito próximas de US$ 3 bilhões.


“Esses dados positivos refletem o bom momento do setor industrial em Mato Grosso do Sul nos últimos dois anos, alavancado, principalmente, pelo desempenho favorável dos segmentos de extrativo mineral e de açúcar e álcool, que registram sucessivos aumentos de preços no mercado externo. Além disso, no caso do açúcar, países como China, Rússia e Venezuela aumentaram suas compras, beneficiando a nossa balança comercial”, disse.


Longen acrescenta ainda que nos últimos meses o complexo carne melhorou o seu desempenho depois das reduções das compras ocorridas em importantes compradores, especialmente aqueles que passaram por conflitos internos de ordem política, notadamente no mundo árabe, como Argélia e Egito.


“Há três meses, países como Venezuela, Hong Kong, Japão, Holanda, China, Arábia Saudita e Ucrânia também elevaram o volume de compra de carnes produzidas em Mato Grosso do Sul, refletindo positivamente na receita das exportações”, pontuou.


Participação


Ainda segundo o levantamento do Radar da Fiems, quanto à participação relativa, no acumulado do ano, as vendas externas de industrializados atingiram a marca de 72,6% de tudo o que foi exportado por Mato Grosso do Sul.


Quanto à participação relativa, apenas no mês de novembro deste ano, as vendas externas de industrializados atingiram a marca de 80,2% de tudo o que foi exportado pelo Estado. Também na avaliação apenas da receita obtida no mês de novembro, quando as vendas externas de industrializados alcançaram US$ 272,9 milhões, o crescimento com relação ao mesmo período do ano passado foi de 39,9%, quando o valor foi de US$ 195 milhões.


Com essa receita de US$ 272,9 milhões, novembro de 2011 consolida-se como o segundo melhor resultado mensal alcançado em toda a série histórica da exportação de industrializados em Mato Grosso do Sul, ficando atrás somente do mês de setembro de 2011, com US$ 354,9 milhões.


Já com relação ao volume, no acumulado do ano, a exportação de industrializados alcançou o volume total de 8,06 milhões de toneladas, aumento de 32,2% em relação à igual período de 2010, quando foi vendido ao exterior o equivalente a 6,09 milhões de toneladas de produtos industrializados.


Na comparação apenas de novembro de 2011 com novembro de 2010, o crescimento foi de 80,5%, subindo de 400,9 mil toneladas para 723,6 mil de toneladas. Principais grupos No acumulado do ano, os principais itens da pauta de exportação de industrializados de Mato Grosso do Sul são Complexo Carne, Extrativo Mineral, Açúcar e Álcool e Papel e Celulose.


No caso do Complexo Carne, os produtos com maior destaque são os pedaços e miudezas congelados de galos e galinhas, carnes secas e salgadas, outras carnes de suínos congeladas, carnes congeladas de galos e galinhas não cortados em pedaços e outras miudezas comestíveis congeladas de bovinos, que proporcionaram um acréscimo, em receita, no comparativo com 2010, equivalente a US$ 55,3, US$ 11,7, US$ 11,6, US$ 6,4 e US$ 5,9 milhões, respectivamente.


Já no grupo Extrativo Mineral o valor alcançado ficou em US$ 589,5 milhões, com destaque para a elevação ocorrida nas exportações de minérios de ferro em bruto, que até o momento, totalizaram US$ 570,7 milhões ou 96,8% da receita total, resultando, deste modo, em uma receita 109% maior que a obtida em igual intervalo de 2010, mesmo com uma expansão, em volume, na mesma comparação, de 37%.


No grupo Açúcar e Álcool, a receita de exportação alcançou o equivalente a US$ 625,4 milhões, indicando, sobre 2010, um crescimento nominal de 98,2% na receita, resultando em um valor adicional de US$ 309,9 milhões.


Quanto às exportações de Papel e Celulose o destaque, naturalmente, fica por conta da pasta química de madeira semibranqueada (celulose), que até agora, em 2011, registrou uma receita de exportação equivalente a US$ 390,4 milhões ou 92,6% da receita total do grupo.


Quando comparado com igual período de 2010, houve um crescimento nominal de 10,1% na receita obtida com o produto. Ainda em relação ao grupo, outro destaque foi observado nas vendas de papel fibra 150g/m², que somaram, até agora, o equivalente a US$ 27,9 milhões ou 6,61% do total, proporcionando, na mesma comparação, uma receita 36,7% maior.
Jornal Midiamax