Com o objetivo de reduzir o déficit carcerário e melhorar as condições de cumprimento da pena nas unidades prisionais de , o Governo do Estado irá construir, nos próximos anos, mais dois presídios no Complexo da Gameleira, em .

Com autorização já sinalizada pelo ministro da Justiça e , Flávio Dino, o Governo de Mato Grosso do Sul vai  construir dois novos presídios no Complexo da Gameleira, em Campo Grande, nos próximos anos. As unidades terão capacidade para mais de 1.200 presos e vão custar cerca de R$ 90 milhões.

  “Pedimos apoio ao e Segurança Pública na construção de presídios que possam abrigar a população carcerária que está crescendo num ritmo acelerado no Estado por conta da fronteira”, explicou Eduardo Riedel. Ontem (8), o Riedel participou de reunião com Flávio Dino, em Brasília 

De acordo com o secretário estadual de Justiça e Segurança Pública, Antônio Carlos Videira, cada presídio terá capacidade para receber 603. As novas penitenciárias ficarão em área de 182 hectares na região do Complexo da Gameleira e vão ocupar 50 hectáreas da área total. 

Atualmente o Complexo da Gameleira conta com três unidades prisionais, duas masculinas com capacidade para 1.206 presos e a feminina, que será entregue ainda neste ano, com capacidade para 407 detentas.

Estado que mais prende

De acordo com Antônio Carlos Videira, Mato Grosso do Sul é o estado brasileiro que mais prende. “O país que mais prende no mundo é os Estados Unidos, que tem uma média de 655 presos por 100 mil habitantes, aqui no Estado são 704 presos por 100 mil, enquanto a média nacional está em torno de 368 presos por 100 mil habitantes”.

Com a realidade, criou-se déficit de 5 mil vagas no sistema prisional, resultado, principalmente, de prisões de traficantes que usam Mato Grosso do Sul como rota do tráfico de drogas. Atualmente 42% da população carcerária do Estado é de pessoas ligadas ao tráfico. 

Cada preso custa ao sistema penitenciário estadual em torno de R$ 2.500 por mês.