Política / Transparência

Imasul loca aeronave para combate a incêndios no Pantanal por R$ 2,9 milhões

Serrana Aviação Agrícola vai fornecer aeronave e todos os equipamentos e pessoal para execução do serviço

Renata Volpe Publicado em 20/04/2021, às 09h48

Aeronave usada no incêndio em Costa Rica, onde fica o Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari
Aeronave usada no incêndio em Costa Rica, onde fica o Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari - Imasul, Semagro, Divulgação

Para combater incêndios em Mato Grosso do Sul, o Imasul (Instituto de Meio Ambiente) fez contrato para locar horas-voo de aeronave, pelo valor de R$ 2,9 milhões.

Segundo o contrato publicado no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (20), a empresa Serrana Aviação Agrícola, com sede em São Gabriel do Oeste, vai fornecer aeronave e todos os equipamentos e pessoal para execução do serviço.

Então, a empresa precisa atender às necessidades das unidades de conservação e suas zonas de amortecimento e na área de uso restrito na planície inundável do Pantanal.

O valor total estimado do contrato é de R$ 2.950.000,00 (dois milhões e novecentos e cinquenta mil de reais) e a contratação dos serviços é por um ano. Conforme a assessoria de imprensa do Imasul, essa é parte do investimento de R$ 56 milhões para o combate a incêndios florestais em 2021, anunciado por Reinaldo Azambuja (PSDB) em janeiro deste ano.  

Segundo o diretor-presidente do Imasul, André Borges, a contratação é uma ação de prevenção. "Estamos nos precavendo para o caso de incêndios ocorrerem, a exemplo do cenário dos dois últimos anos. É uma preparação para termos melhores condições para o combate"., disse.

Esse tipo de aeronave, ainda conforme Borges, foi usada no ano passado no combate ao incêndio no Parque das Nascentes do Rio Taquari, com o apoio do setor sucroalcooleiro e das prefeituras do interior. "Agora, já temos essa possibilidade, com a contratação das horas-voo. Importante frisar que, de acordo com o contrato, o Estado só irá desembolsar o recurso para custear as horas-voo efetivamente empregadas no combate", informou.

Jornal Midiamax