Em Dourados, aglomeração em estabelecimento vira alvo de investigação pelo MPMS

A 10ª Promotoria de Justiça de Dourados instaurou procedimento administrativo contra um estabelecimento e seus proprietários em que houve aglomeração no dia 13 de dezembro. O edital de abertura foi publicado na edição desta quinta-feira (7) do DOMPMS (Diário Oficial do Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul).  Na portaria que instaurou o […]
| 07/01/2021
- 14:09
Em Dourados, aglomeração em estabelecimento vira alvo de investigação pelo MPMS
Foto: Reprodução, MPMS - Foto: Reprodução, MPMS

A 10ª Promotoria de Justiça de Dourados instaurou procedimento administrativo contra um estabelecimento e seus proprietários em que houve aglomeração no dia 13 de dezembro. O edital de abertura foi publicado na edição desta quinta-feira (7) do DOMPMS (Diário Oficial do Ministério Público do Estado de ). 

Na portaria que instaurou o procedimento, Rosalina citou que a prefeitura da cidade publicou decreto que limita as atividades comerciais, que devem obedecer as medidas sanitárias de prevenção à Covid-19. Ela destaca ainda que a maioria dos presentes não usava máscara de proteção ou adotava o distanciamento social.

“É inquestionável a leviandade, irresponsabilidade, absoluto egoísmo por parte dos responsáveis pela realização do evento, sobretudo nos dias atuais, em que, malgrado todos os esforços para conter o contágio das pessoas, há um crescimento exponencial e incontrolável do número de pessoas infectadas, nas últimas semanas estão ocorrendo mortes diárias de pacientes por Covid-19, e além de tudo, os leitos de UTI exclusivos para adultos estão todos com a ocupação máxima nesta urbe, devendo-se considerar que Dourados é uma macrorregião responsável por 33 municípios”, escreveu a promotora.

Foi anexado ao procedimento um ofício à Rosalina relatando a fiscalização do decreto da prefeitura em 13 de dezembro. O presta apoio às equipes da Visa (Vigilância Sanitária Municipal) e da GMD (Guarda Municipal de Dourados).

A promotoria deu dez dias para os investigados prestarem esclarecimentos.

*(Texto alterado às 08h18 de 9 de janeiro para correção de informações)

Veja também

TCE-MS cobra, do prefeito William Luiz Fontoura, conhecido como William do “Banco”, o pagamento de uma multa no valor de R$ 3.283,70

Últimas notícias