Política / Transparência

Prefeitura fecha texto e projeto sobre aplicativos de transporte chega terça à Câmara

Deve ser enviado na próxima terça-feira (11) à Câmara Municipal o novo projeto da prefeitura de Campo Grande para regulamentar os aplicativos de transporte de passageiros na cidade. A confirmação sobre a data foi dada nesta sexta-feira (7) pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD), durante evento no Parque Ayrton Senna. “Terminou a redação hoje. Encontro o […]

Nyelder Rodrigues Publicado em 07/02/2020, às 18h14 - Atualizado às 18h21

Prefeito Marquinhos Trad (Minamar Junior, Arquivo Midiamax)
Prefeito Marquinhos Trad (Minamar Junior, Arquivo Midiamax) - Prefeito Marquinhos Trad (Minamar Junior, Arquivo Midiamax)

Deve ser enviado na próxima terça-feira (11) à Câmara Municipal o novo projeto da prefeitura de Campo Grande para regulamentar os aplicativos de transporte de passageiros na cidade. A confirmação sobre a data foi dada nesta sexta-feira (7) pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD), durante evento no Parque Ayrton Senna.

“Terminou a redação hoje. Encontro o pessoal na segunda-feira (10) de manhã e na terça-feiura (12) já estará na Câmara Municipal”, frisa Marquinhos. No fim do mês passado, o chefe do Executivo campo-grandense resolveu suspender o decreto anterior sobre o tema após se reunir com motoristas que trabalham com esses aplicativos.

A suspensão foi feita por 90 dias para que os trabalhadores pudessem se adequar as normas e também revisar algumas outras situações. Com a suspensão, a fiscalização também não começou a ser feita na ruas pelas equipes da Agetran.

“Durante esse tempo, haverá vigência da lei? Não, podem ficar tranquilos. Não haverá fiscalização e nem multas. Até porque já está acordado, pois o projeto de lei precisa de algumas correções e a que já está acordada é a supressão do exame toxicológico”, disse Marquinhos à época para tranquilizar os motoristas.

A decisão foi anunciada no dia 14 de janeiro em reunião com a categoria. Os motoristas fizeram uma passeata pela avenida Afonso Pena e se reuniram na prefeitura de Campo Grande para entregar um ofício com reivindicações.

Os principais questionamentos feitos à nova lei são referentes à proibição de veículos com mais de oito anos rodarem – o grupo alega que a legislação federal permite até 10 anos. Também são discutidas a necessidade de exame toxicológico, necessidade de contratação de mais um seguro e proibição de atender em determinadas áreas.

Jornal Midiamax