Política / Transparência

Obra do Terminal Intermodal de Cargas será retomada neste mês, prevê secretário

A obra do Terminal Intermodal de Cargas de Campo Grande, localizado entre a BR-060 e BR-163, deve ser retomada no fim de janeiro, estima o secretário de Infraestrutura do município, Rudi Fioresi. Nesta quinta-feira (2), foi publicada a renovação da concessão de licença para construção no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande). “Na segunda [dia […]

Mayara Bueno Publicado em 02/01/2020, às 09h53 - Atualizado às 14h55

Imagem aérea do Terminal Intermodal de Cargas. (Divulgação, Arquivo).
Imagem aérea do Terminal Intermodal de Cargas. (Divulgação, Arquivo). - Imagem aérea do Terminal Intermodal de Cargas. (Divulgação, Arquivo).

A obra do Terminal Intermodal de Cargas de Campo Grande, localizado entre a BR-060 e BR-163, deve ser retomada no fim de janeiro, estima o secretário de Infraestrutura do município, Rudi Fioresi. Nesta quinta-feira (2), foi publicada a renovação da concessão de licença para construção no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande).

“Na segunda [dia 30], recebemos aprovação do Dnit e até o fim de janeiro retoma”. A construção foi começou em 2008, estava paralisada, e agora será retomada pela Solução Engenharia, ao custo de ao menos R$ 3 milhões.

Segundo o titular, foi feita readequação no projeto e, por isso, ele precisou passar novamente pelo Dnit. A ideia é que a obra seja concluída no segundo semestre de 2020. Até agora, já foram investidos R$ 23,2 milhões, entre recursos federais e municipais.

Na última etapa, serão implantados 2,5 quilômetros de rede água; 5,2 quilômetros de rede de esgoto, estação elevatória de esgoto, ativação de um poço, iluminação pública interna , conclusão de trechos de meios-fios, sinalização, recuperação do pavimento; drenagem. A licença foi renovada por dois meses, a contar de 12 de dezembro.

A estrutura de logística foi planejada para ocupar a área de 65 hectares, às margens do anel rodoviário, entre as saídas para São Paulo, Sidrolândia e Corumbá. O Porto Seco foi entregue em 2012, por 30 anos, em regime de concessão onerosa, para a administração do consórcio empresarial Park X, que venceu o processo de licitação. A partir do terceiro ano de funcionamento do terminal, o consórcio pagará à Prefeitura o valor de R$ 80 mil, com correção anual.

Um estudo encomendado pelo grupo projeta a movimentação anual de até 2.200 milhões de toneladas, quando tudo estiver funcionando.

Jornal Midiamax