Política / Transparência

No mesmo dia que TRF1 inocentou Delcídio, Senado publica aposentadoria

Foi publicada nesta segunda-feira (1) pelo Senado a aposentadoria do ex-senador sul-mato-grossense Delcídio do Amaral, que atuou na Casa por 13 anos e meio e foi um dos principais nomes do Estado no Congresso. A aposentadoria dele sai no mesmo dia em que foi inocentado pelo TRF1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região). De acordo […]

Nyelder Rodrigues Publicado em 01/07/2019, às 18h24 - Atualizado às 18h25

None

Foi publicada nesta segunda-feira (1) pelo Senado a aposentadoria do ex-senador sul-mato-grossense Delcídio do Amaral, que atuou na Casa por 13 anos e meio e foi um dos principais nomes do Estado no Congresso. A aposentadoria dele sai no mesmo dia em que foi inocentado pelo TRF1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região).

De acordo com a portaria assinada pelo diretora do Senado, Ilana Trombka, todos os requisitos foram para aposentadoria foram preenchidos por Delcídio, recebendo aval para tal da Secretaria de Gestão de Pessoas.

Ainda conforme o texto, ele deve receber mensalmente 12/35 do valor atual do subsídio parlamentar – hoje, um senador recebe R$ 33.763 por mês. Assim a aposentadoria de Delcídio deve corresponder de R$ 11.575,88.

Antes de ser senador, Delcídio foi diretor de Gás e Energia da Petrobras e ministro de Minas e Energia. Em 2002, pelo PT, foi eleito senador, permanecendo no cargo até maio de 2016, quando foi cassado. Também foi candidato a governador do Mato Grosso do Sul em 2006 e 2014, não vencendo em nenhuma delas.

Inocentado

Após ser acusado de obstrução de Justiça – que foi inclusive a justificativa para a cassação – em suposta tentativa de compra do silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, Delcídio foi inocentado há um ano pela 10ª Vara Criminal da JFDF (Justiça Federal Distrito Federal).

Já nesta segunda-feira (1), decisão tomada pela Quarta Turma do TRF1 manteve a absolvição ao ex-senador neste processo. Além dele, também foram considerados inocentes o ex-presidente Lula e o pecuarista de Mato Grosso do Sul, José Carlos Bumlai, além do seu filho, Maurício Bumlai.

Jornal Midiamax