Política / Transparência

Deputados cobram Governo sobre terceirização da radioterapia em MS

O deputado estadual Pedro Kemp (PT) cobrou durante sessão nesta quinta-feira (1º) do Governo de Mato Grosso do Sul os motivos da terceirização da radioterapia no Estado. Ele ressalta ter 270 pacientes com câncer na fila do SUS (Sistema Único de Saúde) aguardando o tratamento apenas oferecido pelo Hospital do Câncer, atendendo 77 pacientes atualmente. […]

Renata Volpe Publicado em 01/08/2019, às 12h34 - Atualizado às 18h34

None

O deputado estadual Pedro Kemp (PT) cobrou durante sessão nesta quinta-feira (1º) do Governo de Mato Grosso do Sul os motivos da terceirização da radioterapia no Estado. Ele ressalta ter 270 pacientes com câncer na fila do SUS (Sistema Único de Saúde) aguardando o tratamento apenas oferecido pelo Hospital do Câncer, atendendo 77 pacientes atualmente. O parlamentar Capitão Contar (PSL) pediu para assinar o requerimento que será enviado ao governo, junto com Kemp.

O petista destacou que na gestão do ex-governador André Puccinelli (MDB), foi feita uma tratativa com o Ministério da Saúde para receber recursos e equipamentos. “Seriam disponibilizados para o Estado, cinco aceleradores lineares pelo SUS, sendo um para o Hospital Regional de Campo Grande”. 

O tempo passou e segundo o parlamentar, até hoje o HR não tem o equipamento necessário para radioterapia, apenas hospitais e clínicas particulares. “Infelizmente o serviços foram terceirizados para clínicas e hospitais particulares e quem não tem condição de pagar pelo serviço está nessa fila enorme”.

Porém, o Hospital do Câncer Alfredo Abrão recebeu um equipamento doado pelo Ministério da Saúde, e tem capacidade para atender até 100 pacientes. O hospital herdou todos os contratos de radioterapia do SUS regulados na região de Campo Grande.

O petista cobra explicações do governo estadual através de requerimento, para saber o que foram feitos com os equipamentos e recursos. “Também estamos fazendo a reivindicação para o SUS poder abranger esse serviço e diminuir rapidamente essa fila de muitos pacientes que aguardam o atendimento”.

Por fim, o deputado falou que o governo precisa dar explicações para sociedade sobre a terceirização dos serviços, já que a demanda é alta. “Quem tem câncer não pode esperar muito tempo”. 

Kemp também criticou o serviço público de saúde e relembrou a “Operação Sangue Frio”, deflagrada em março de 2013, pela Polícia Federal, em conjunto com a CGU (Controladoria Geral da União). A operação envolveu crimes de improbidade administrativa e pedidos para ressarcimento de recursos desviados. “Lembro da conversa interceptada, em que um dos investigados dizia que aplicaria um ‘sorinho’ no paciente. Para enganar as pessoas. Tudo seria diferente hoje, se tivesse sido implantada a radioterapia no Regional, conforme foi previsto no segundo mandato do André Puccinelli”, acrescentou.

Em aparte, Capitão Contar (PSL) afirmou que pretende assinar junto ao Kemp o requerimento pedindo informações ao governo do estado de Mato Grosso do Sul a respeito do atendimento das pessoas com câncer na rede pública de saúde.

*Matéria atualizada às 12h43 para acréscimo de informação

Jornal Midiamax