Política / Transparência

Mesmo se tiver um voto, Paulo Passos será reeleito procurador-geral de Justiça

Votação acontece nesta sexta

Evelin Cáceres Publicado em 23/03/2018, às 14h42

None

Votação acontece nesta sexta

O MP-MS (Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul) realiza nesta sexta-feira (23) a eleição para os indicados à lista tríplice a ser encaminhada para que o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) escolha o novo procurador-geral de Justiça. No entanto, apenas o procurador Paulo Cezar dos Passos é candidato nessa eleição.

Com isso, mesmo que receba somente o seu voto, Passos é o único a quem o governador poderá escolher como chefe da instituição para o biênio 2018/2020, explicou o presidente da comissão eleitoral, procurador Sérgio Luiz Morelli. 

“É a primeira vez que acontece em Mato Grosso do Sul, mas não no Brasil. Vários Estados já estiveram na mesma situação. Significa que a gestão está bem conduzida, vejo como um apoio dos membros”, disse o procurador adjunto Humberto Brittes, que também ocupou o cargo por quatro anos, antes da eleição de Passos em 2016.

“Conseguimos fazer uma importante mudança na Constituição Estadual, incluindo os promotores na votação para concorrer ao cargo de Procurador-geral de Justiça e o importante aparelhamento do órgão, com construção de seis novas sedes próprias. Também recebemos dois terrenos, um em Corumbá e outro em Itaporã para construção de sedes”.Mesmo se tiver um voto, Paulo Passos será reeleito procurador-geral de Justiça

Passos diz que pretende continuar garantindo a independência funcional do órgão. Para o procurador, o grande êxito de sua administração foi dar incremento às investigações. “Uma maior estrutura para atender aquilo que a sociedade mais deseja no momento, que é combater os atos de improbidade, corrupção e notoriamente a criminalidade organizada. A garantia de direitos implica necessariamente em uma repressão com maior intensidade e maior qualidade daqueles que cometem crimes”.

Eleição

A eleição será realizada das 9h às 17h, na sede da Procuradoria-Geral de Justiça. A Comissão Eleitoral é composta pelo Procurador de Justiça Sérgio Luiz Morelli, como Presidente; o Procurador de Justiça Mauri Valentim Riciotti, como Secretário; e o Procurador de Justiça Hudson Shiguer Kinashi, como membro.

O voto é obrigatório para todos os Membros do Ministério Público (Procuradores de Justiça e Promotores de Justiça) do quadro ativo da carreira, constituindo o seu exercício como dever funcional.

A votação é pessoal e direta, sendo proibido exercê-lo por procurador ou via postal. O voto é secreto, exercido em cabine fechada e a cédula também têm as opções de voto nulo ou em branco.

De acordo com a assessoria, encerrada a votação, a Comissão Eleitoral procederá à apuração dos sufrágios, proclamando o resultado ainda nesta sexta-feira (23).

Jornal Midiamax