Governo reajusta contrato da gasolina e vai pagar mais caro que valor indicado pelo Procon-MS

Valor do etanol pago à Taurus também ficou acima do recomendado
| 30/05/2018
- 12:20
Governo reajusta contrato da gasolina e vai pagar mais caro que valor indicado pelo Procon-MS

Em meio à crise de abastecimento gerada pela greve dos caminhoneiros, que chega no seu décimo dia nesta quarta-feira (30), a SAD (Secretaria de Estado de Administração) reajustou os preços pagos pelo combustível dos carros oficiais do governo.

O custo da gasolina dos carros oficiais sofreu o maior reajuste: 12,18%. Em dezembro, o governo pagava R$ 3,94 pelo litro da gasolina. Com o reajuste, o valor do litro subiu para R$ 4,42.

O valor ficou acima do que o Procon (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor) recomenda que seja praticado nos postos de combustíveis do Estado. O órgão sugere preços máximos de R$ 4,39 para os postos locais.

Foi divulgado também o preço pago pelo governo pelo litro do etanol, R$ 3,61. O valor que também ficou acima do recomendado pelo Procon, que sugeriu preço máximo de R$ 3,29 para o etanol nos postos do Estado. 

O óleo diesel comum dos carros oficiais também teve reajuste de 7,6%, subindo de R$ 3,68 para R$ 3,96 o litro, enquanto o diesel S-10 subiu de R$ 3,77 para R$ 4,08 o litro, um aumento de 8,22%.

O Consórcio Taurus Card é o fornecedor oficial do governo, por meio de um contrato corporativo que atende todas as pastas da administração estadual.

Segundo o superintendente do Procon, Marcelo Salomão, a regularidade dos preços depende da análise da nota de compra do contrato com a Taurus. “Nós não temos como definir se está regular ou não sem analisar a nota de compra”, afirmou.

“O posto compra o combustível da distribuidora, e alguns postos estão comprando com reajuste, e depois revendendo. Então pode ser que o aumento esteja sendo repassado da distribuidora”, afirmou.

Segundo a apostila assinada pelo secretário de Estado de Administração, Carlos Alberto de Assis, o reajuste dos preços foi necessário para “assegurar o equilíbrio econômico-financeiro do contrato”.

Para calcular a porcentagem dos reajustes, o governo considerou a média do preço máximo divulgado pela ANP (Agência Nacional de Petróleo), por meio da pesquisa Síntese de Preços Praticados em Mato Grosso do Sul.

Veja também

Termo aditivo do contrato foi publicado nesta sexta-feira (19)

Últimas notícias