Nepotismo faz MP pedir exonerações e prefeito diz que nomeou ‘graças a Deus’

Reinaldo Piti disse não ter sido notificado 
| 22/04/2017
- 15:57
Nepotismo faz MP pedir exonerações e prefeito diz que nomeou ‘graças a Deus’

Reinaldo Piti disse não ter sido notificado 

Três servidores comissionados nomeados pelo prefeito de Bela Vista, Reinaldo Miranda Benites (PSDB), o Piti, motivaram recomendação emitida pelo Ministério Público Estadual (MPE) nesta semana. Segundo a apuração do órgão, há evidências de na administração municipal da cidade. Em resposta, o prefeito afirma que nomeou “graças a Deus”.

No primeiro dia útil da administração de Reinaldo neste ano, foram nomeados Edvaldo Pereira de Sá, na função de chefe de gabinete, Princiele Viega Silveira como assessora de planejamento e Eduardo da Silva Pegaz, como assessor jurídico. A reportagem tentou apurar o salário dos servidores, no entanto não é possível fazer buscas no Portal da Transparência do município.

Segundo apuração do promotor Alexandre Estuquil Júnior, Edvaldo é casado com Ana Paula Melo da Silva, diretora do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) e Princiele é casada com o controlador interno da prefeitura, Rodrigo Barbosa. Eduardo, por sua vez, é casado com Cindy Benaglia Carvalho Pegaz, psicóloga efetiva que coordena uma das pastas da Assistência Social da prefeitura.

A constatação do nepotismo fez com que o promotor emitisse recomendação para que o prefeito exonere os comissionados no prazo de 24 horas a partir do recebimento do documento, emitido na segunda-feira (17) e publicado na edição de anteontem do diário do MP.

O promotor também pede que o prefeito não repita a ação considerada irregular pela Justiça brasileira nomeando outros parentes de servidores.

Ao Jornal Midiamax, o prefeito Reinaldo confirmou que nomeou os três comissionados no início da gestão. “Graças a Deus eu nomeei porque eles são muito competentes”. O prefeito afirmou, no entanto, que ainda não foi notificado pelo MP e que assim que isso ocorrer, fará analise juntamente com a assessoria jurídica para definir qual medida será tomada. 

Veja também

MS e outros 11 estados foram ao STF para questionar teto de 17% do ICMS

Últimas notícias