Política / Transparência

Prefeitura volta atrás na exigência do exame de HIV em concursos públicos

Lista de testes foi modificada após sete dias da publicação

Jessica Benitez Publicado em 21/01/2016, às 16h44

None
exame-psa.jpg

Lista de testes foi modificada após sete dias da publicação

A prefeitura de Campo Grande voltou atrás na exigência do exame de HIV em concursos públicos para cargos no Executivo, conforme havia publicado no Diário Oficial do último dia 14. A republicação da avaliação para aptidão dos candidatos saiu no Diogrande desta quinta-feira (21). Os outros testes, incluindo os que verificam uso de drogas ilícitas como cocaína e maconha permanecem na lista.

A justificativa da mudança não consta na publicação, porém logo após divulgação da exigência dos exames o assunto rendeu polemica. Agora os testes aplicados aos candidatos serão para todos os cargos: Esquema vacinal completo (antitetânica, febre amarela, hepatite B e tríplice viral); Exame toxicológico para dosagem de canabinóides e de benzoilecgonina, pela urina; Hemograma completo; Glicemia; Creatinina; PPD; Ultrassom de punho bilateral com laudo; Ultrassom de cotovelo bilateral com laudo; Ultrassom de ombro bilateral, com laudo; RX de pulmão.

Para cargos dos grupos 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8: RX de coluna cervical com laudo; RX lombo sacra, com laudo. (Veja lista de grupos aqui). Para Cargos dos grupos 3: VDRL. Para vagas de motorista, motorista de veículos pesados e operador de máquinas: Videolaringoscopia com laudo descritivo e Audiometria com laudo.

Para os grupos 6, 7 e 8: RX de joelho bilateral, com laudo. Somente às funções do grupo 8: RX de ombro, bilateral AP e Perfil, com laudo. No dia da primeira publicação o presidente do Sisem (Sindicato dos Funcionários e Servidores Municipais de Campo Grande), Marcos Tabosa, opinou como válida e ter total apoio do sindicato pode ficar ainda mais dura se depender dele .

“O sindicato é a favor disso e a gente vai até dar uma olhadinha para apertar mais um pouco”, disse. Ele explicou também que a medida é necessária para evitar problemas antigos na repartições públicas; o grande número de atestados.

Jornal Midiamax