Política / Transparência

‘Farra das diárias’ levou Gaeco a deflagrar ação em Câmara

Desvios teriam acontecido entre 2013 e 2015

Ludyney Moura Publicado em 26/02/2016, às 14h18

None
gaeco_rio_brilhante.jpg

Desvios teriam acontecido entre 2013 e 2015

Como já era esperado, a investigação do MPE (Ministério Público Estadual) sobre supostas irregularidades no pagamento diárias a vereadores e servidores da Câmara de Rio Brilhante, levou o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) a deflagrar uma ação no município na última quarta-feira (24).

O Ministério Público divulgou uma nota explicou que o Gaeco, em parceria com a 2ª Promotoria de Justiça de Rio Brilhante, cumpriu mandatos judiciais de busca e apreensão na Câmara Municipal de Rio Brilhante.

Como já divulgado pelo Jornal Midiamax durante a operação, seis pessoas, sendo cinco vereadores e um servidor da Câmara, foram conduzidas coercitivamente a depor. Elas são suspeitas de receberem valores indevidos de diárias entre 2013 e 2015.

Foram conduzidos para depoimento os vereadores Sérgio Carlos Martins Rigo (PT), o Serginho Rigo, atual presidente da Casa, Dejair  Gomes (PROS), o Totinha, ex-presidente, Giancarlo Mariano da Rocha (PPS), o Gi, Ademar Luiz Schafer (PSDB), o Ademar do União e Aguinaldo Lima Pereira (PROS), o boiada, alem do gerente administrativo da Câmara, Ramão Leite.

“As buscas na Câmara Municipal tiveram por objetivo a apreensão de documentos originais e outros elementos que, de alguma forma, possivelmente estejam relacionados aos pagamentos”, diz a nota do MPE.

Segundo a entidade, a partir de agora as investigações continuam, sob o comando da titular da 2ª PJ da comarca, Rosalina Cruz Cavagnolli, que vai analisar o material apreendido, perícias e eventuais oitivas de outros investigados e testemunhas.

Jornal Midiamax