Política / Transparência

Prioridade na saúde será concluir hospitais e oferecer atendimento imediato, diz Azambuja

Segundo governador, “saúde não precisa de obra, mas de atendimento”

Midiamax Publicado em 05/01/2015, às 16h57

None
imagem_de_destaque.jpg

Segundo governador, “saúde não precisa de obra, mas de atendimento”

As obras dos hospitais de Três Lagoas (MS) e Dourados (MS) devem ‘aguardar’ para serem iniciadas, segundo o governador Reinaldo Azambuja (PSDB). O ex-governador do Estado, André Puccinelli (PMDB) chegou a assinar a autorização da construção da obra em Três Lagoas. Ainda de acordo com Azambuja, a prioridade é investir em hospitais que estão prontos e que podem oferecer atendimento imediato para a população.

Como exemplos, o governador citou o próprio Hospital Regional, com abertura de mais leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), dois hospitais em Dourados, além do Hospital Auxiliadora. “Neste tem áreas inacabadas e falta pouco para concluir, se eles fizerem um pacto, de imediato dá para oferecer o serviço”, avaliou.

A justificativa para não começar novas obras e sim investir nas existentes, que faltam pouco para serem concluídas, é a demora na conclusão dos hospitais, por exemplo, dois anos. “Saúde não precisa de obra, mas de atendimento”.

Com relação à conclusão do Hospital do Trauma, em Campo Grande, Azambuja diz que aguarda audiência com o ministro da saúde. Aécio Neves (PSDB), candidato derrotado à Presidência, se comprometeu, na época de campanha, a trazer o titular da pasta e concluir a instituição de saúde, como primeiro compromisso com MS, caso eleito. Azambuja, por sua vez, também prometeu promover um ‘mutirão da saúde’.

Jornal Midiamax