Política / Transparência

Manter peixes até abertura do Aquário do Pantanal custará mais R$ 1,5 milhão

Governador classifica custo extra de desrespeito e falta de planejamento

Midiamax Publicado em 13/04/2015, às 13h48

None
img_0252.jpg

Governador classifica custo extra de desrespeito e falta de planejamento

O atraso nas obras do Aquário do Pantanal inclui mais uma conta milionária ao projeto, que configura falta de planejamento e desrespeito com o dinheiro público, nas palavras do atual governador, Reinaldo Azambuja (PSDB). O governo vai gastar pelo menos R$ 1,5 milhão só para manter os peixes que futuramente povoarão os tanques, quando o local for inaugurado.

Reinaldo visitou o local onde os peixes são mantidos no sábado (11). Na ocasião, revelou que, pelo andamento da obra, o Aquário do Pantanal poderá ser entregue no fim do ano, ao passo que o custo mensal dos tanques chega a R$ 120 mil.

Levando em conta que os tanques são mantidos com dinheiro público desde novembro, até o fim do ano o custo pelo serviço será de R$ 1,56 milhão. “O Aquário, conforme o andamento da obra, poderá ser entregue no fim do ano e a captura dos peixes poderia ter aguardado”, diz o governador, conforme publicado no site do próprio governo, onde o tucano critica a “falta de planejamento e respeito ao dinheiro público por parte da administração anterior ao antecipar em vários meses a captura e aquisição dos exemplares”.

O Aquário do Pantanal, anunciado como maior de água doce do mundo, foi o projeto mais caro lançado pelo governo de André Puccinelli, cuja segunda gestão terminou em dezembro de 2014. O custo inicial, na casa dos R$ 86 milhões, ficou bem abaixo do gasto até agora – estima-se em torno de R$ 200 milhões.

Puccinelli disse, várias vezes, que tinha a meta de inaugurar o Aquário ainda em sua gestão. Por fim, deixou o poder com o projeto inacabado, sob suspeitas irregularidades, custando muito mais que o previsto e, atualmente, submetido a uma auditoria a mando do sucessor.

Em novembro do ano passado, após questionamentos sobre o custo pela captura dos peixes, o governo do Estado revelou que o viveiro foi instalado junto à sede da PMA (Polícia Militar Ambiental), no Parque dos Poderes. No dia 25 daquele mês, a imprensa foi convocada até o local, onde havia 600 dos 12 mil peixes, de 135 espécies, previstos para os tanques do Aquário do Pantanal.

Na mesma ocasião, foi revelado que a coleta, transporte e manejo dos peixes custariam R$ 4 milhões. Pelas informações atuais do governo, são mantidos atualmente 5 mil exemplares.

Parques

Além de visitar o local onde estão os peixes do Aquário, Reinaldo também foi ao Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres) e ao Parque das Nações Indígenas. Falou sobre intervenções e reformas em ambos.

“No Parque das Nações Indígenas estamos refazendo toda a parte da iluminação, trocando as lâmpadas queimadas por led para diminuir os custos e garantir mais segurança para a população. Vamos também ampliar monitoramento por câmeras e fortalecer o pelotão (da Polícia Militar)”, disse o governador.  

Jornal Midiamax