Política / Transparência

Irmã do empreiteiro João Amorim fatura comissão de obras na Assembleia

Na CCJR, situação segue indefinida e reunião está prevista para a tarde

Midiamax Publicado em 19/02/2015, às 14h47

None
antonieta_amorim_gw.jpg

Na CCJR, situação segue indefinida e reunião está prevista para a tarde

Irmã de um dos principais empreiteiros ligados ao Poder Público em Mato Grosso do Sul, a deputada estadual Antonieta Amorim (PMDB) foi indicada presidente da Comissão de Obras da Assembleia Legislativa. Já a presidência da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação), a principal da casa, segue indefinida.

A indicação de algumas presidências foi definida em acordo entre os parlamentares. Grazielle Machado (PR), por exemplo, ficará com a de Acompanhamento da Execução Orçamentária, enquanto outro novato, Renato Câmara (PMDB), presidirá a de Finanças e Orçamento.

Para Antonieta ficou a Comissão de Serviço Público, Obras, Transporte, Infraestrutura e Administração. Detalhe: ela é artista plástica formada pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), conforme publicado em seu perfil na página da Assembleia Legislativa na internet.

O tema ‘obras’, por sua vez, é constante na família dela. João Amorim, o irmão, é dono da Proteco Engenharia, que mantém uma série de contratos em todas as esferas do Poder Público.

João, inclusive, já foi citado pelo então vereador – e atual deputado federal – Zeca do PT como “papa obras do Estado”, tamanha a facilidade que tem em aprovar projetos com os governos locais. Suspeita de favorecimento ao empresário é alvo de denúncias levadas, entre outros, ao Ministério Público Estadual.

CCJR

Os deputados da CCJR têm até a próxima terça-feira (24) para indicar um presidente à mesa diretora, conforme prazo estipulado pela presidência da casa. Reunião nesta tarde deve definir a questão.

Segundo Rinaldo (PSDB), líder do governo, diz que o Executivo não tem preferência e a decisão cabe aos colegas. Há pelo menos três parlamentares na disputa: Maurício Picarelli (PMDB), Barbosinha (PSB) e Lídio Lopes (PEN).

Nos bastidores, há quem diga que Picarelli seria o favorito. Ele, por sua vez, garante não ter sido procurado e nem que procurou o governo: “quem vota são os deputados”, encerra o peemedebista.

Jornal Midiamax