Política / Transparência

Bernal mantém empresas da gestão de Nelsinho no serviço de tapa-buraco

Empresários já foram sócios de Abimael Lossavero, da Selco 

Evelin Cáceres Publicado em 11/11/2015, às 13h30

None
buraco.jpg

Empresários já foram sócios de Abimael Lossavero, da Selco 

O serviço de tapa-buraco da Prefeitura de Campo Grande continua a ser feito pelas mesas empresas das gestões de Nelson Trad Filho e Gilmar Olarte e são ligadas a Abimael Lossavero, dono da Selco Engenharia.

 Alcides Bernal anunciou em coletiva nesta quarta-feira (11) que as empresas Selco Engenharia, Pavitec, Gradual, Wala e Diferencial realizarão o serviço, deixando a população sem novidades nos contratos que rondam, há anos, a administração municipal. A Usimix fornecerá a massa asfáltica e uma equipe da própria Prefeitura ajudará na realização do serviço.

A Selco foi flagrada no início deste ano tapando “buracos fantasmas”. Na época, a assessoria de Olarte alegou que o reparo foi feito para fechar uma rachadura, de forma preventiva, para que não fosse formado um buraco no local.

A empresa é um “berçário” de novos empresários do ramo do tapa-buraco. Por exemplo, a Gradual Engenharia, que também foi contemplada com a sequência do contrato da Prefeitura, é de propriedade de Caio Vinicius Trindade e Luciano dos Santos Neto. Ambos já foram sócios de Abimael na Selco.

A Diferencial Engenharia é comandada por Acir Magalhães, que fez parte da JW Engenharia e, por meio dela, fez importantes doações nas campanhas de Nelson Trad Filho e Antonieta Amorim, deputada estadual irmã de João Alberto Krampe Amorim dos Santos, dono de contratos milionários com o governo André Puccinelli (PMDB) e envolvido em esquema de desvio de dinheiro da Operação Lama Asfáltica.

A Wala e a Pavitec também mantém contratos com a Prefeitura desde a gestão de Nelson Trad Filho. A Wala manteve mais de R$ 13 milhões em contratos com a Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) que, na época, era comandada por Edson Giroto (PR), liberado nesta terça-feira (10) da cela do Garras após prisão temporária decorrente de suspeitas de desvios de R$ 2,9 milhões.  

A Prefeitura afirmou que repassará R$ 2 milhões às empresas somente pela execução do serviço, já que a lama asfáltica será fornecida pela Usimix. 

Jornal Midiamax