Política / Transparência

Projeto fica no papel e governo cancela doação de áreas para ampliar aeroporto

São 1,3 mil hectares que seriam para mais duas pistas e novo terminal

Midiamax Publicado em 31/12/2014, às 14h06

None
aero_porto.jpg

São 1,3 mil hectares que seriam para mais duas pistas e novo terminal

O governo de Mato Grosso do Sul decidiu revogar 25 decretos de desapropriação de áreas próximas ao Aeroporto Internacional de Campo Grande e que, segundo a medida, seriam usadas para obras de ampliação do local. O Poder Público deixou inconcluso o projeto, conforme sugere a decisão.

A decisão está publicada no Diário Oficial do Estado desta quarta-feira (31). São 24 decretos publicados em 2010 e um de 2011, todos que desapropriam áreas para a obra de ampliação do aeroporto.

“Considerando a não conclusão os trâmites legais para efetivação da obra”, traz o texto do Decreto “E” número 74. Em abril de 2013, o governador, André Puccinelli (PMDB), disse em entrevista que, após ter declarado de utilidade pública quase 1 mil hectares nas proximidades do aeroporto, aguardava o projeto de ampliação do terminal, a ser feito e executado pela Infraero.

O início do projeto foi formalizado em dezembro de 2009, após acordo assinado entre o governo estadual, Infraero, Exército e Aeronáutica. Na ocasião, previa-se a execução da obra em 36 meses.

Conforme publicado, na época, no site do próprio governo do Estado, ele entregaria à Infraero um total de 1,3 mil hectares, com estimativa de R$ 20 milhões em indenizações. Na área, seriam construídas duas novas pistas, novo terminal de passageiros, pátio de aeronaves e outras obras complementares.

Procurada, a Infraero informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o assunto será verificado somente na sexta-feira (2), já que, nesta quarta, o expediente no órgão está reduzido. 

Jornal Midiamax