Política / Transparência

Liminar do STF mantém promotor de Justiça José Arturo Bobadilla em Corumbá

O promotor de Justiça, José Arturo Iunes Bobadilla, conseguiu uma liminar no STF (Supremo Tribunal Federal) para permanecer na cidade de Corumbá. Conforme decisão do CNMP (Conselho Nacional de Justiça), Bobadilla deveria se apresentar amanhã (31) na promotoria de Coxim. O Conselho determinou que Bobadilla fosse removido compulsoriamente por interesse público, em dezembro de 2011...

Arquivo Publicado em 30/08/2012, às 19h21

None

O promotor de Justiça, José Arturo Iunes Bobadilla, conseguiu uma liminar no STF (Supremo Tribunal Federal) para permanecer na cidade de Corumbá. Conforme decisão do CNMP (Conselho Nacional de Justiça), Bobadilla deveria se apresentar amanhã (31) na promotoria de Coxim.

O Conselho determinou que Bobadilla fosse removido compulsoriamente por interesse público, em dezembro de 2011, com confirmação no dia 17 de abril de 2012, quando o pedido de embargo de declaração apresentado por seu advogado, foi rejeitado.

Sua remoção foi pedida pelo ex-procurador-geral do MPE-MS (Ministério Público Estadual), Paulo Alberto Oliveira, por ter detectado “ações penais oferecidas contra o promotor, relacionamento com pessoas de índole duvidosa, ingerência no trabalho da Polícia Federal, bem como comprometimento da atuação funcional, em virtude de efetiva participação na vida social da Comarca, inclusive na esfera política”.

Entretanto, o promotor entrou com recurso do STF e o ministro Ricardo Lewandowski, deferiu pedido liminar, suspendendo até o julgamento final, os efeitos do acórdão do plenário do CNMP. Com isso, Bobadilla permanece em Corumbá até que o caso seja julgado em definitivo.

O caso foi avocado pelo CNMP em 2009, por entendimento de que grande parte dos membros do Conselho Superior do MPE-MS estaria impedida de atuar, ou em suspeição, por serem amigos ou inimigos do promotor.

Jornal Midiamax