Política / Pimenta

Boleto particular de secretário pago por fornecedor sumiu na gaveta de quem deveria investigar?

Pelo visto, síndrome do engavetador compulsivo ataca novamente em MS, para alegria dos corruptos

Da Redação Publicado em 18/06/2021, às 07h30

Fornecedora de produtos de limpeza que também é advogada pagou contas do então secretário
Fornecedora de produtos de limpeza que também é advogada pagou contas do então secretário - Ilustração sobre Reprodução (Web)

Até equipe que auxilia na investigação está curiosa com destino de documento que comprovava favorecimento indevido e relação ilícita entre fornecedora e então secretário. Boletos particulares do sujeito foram simplesmente quitados pela conta bancária da empresa que sempre vence licitações na área de limpeza com muita sujeira.

No entanto, as provas para o flagrante indefensável de corrupção misteriosamente desapareceram do procedimento após telefonema recebido do gabinete onde chefia define quem é amigo ou não, com imediato refflexo sobre rumo dos trabalhos.

Aparentemente, 'síndrome do engavetador compulsivo' que já expôs órgão ao vexame em passado recente, estaria atacando novamente entre membros dóceis. De olho apenas no altíssimo salário, muitos mostram que não estão nem aí para as responsabilidades sociais assumidas com investidura do cargo.

Só que, mais uma vez, enredo envolve denúncias que correm paralelamente em órgãos diferentes. Assim, logo que procedimento deixar de ter proteção do sigilo, pode rolar comparação nada abonadora para galera que paga de servidor exemplar enquanto ajuda corrupção a florescer.

E o sujão, que adora um produto de limpeza, apesar de susto recente para inglês ver, continua operando normalmente.

Jornal Midiamax