Política / Justiça

Usina é investigada por suposto dano ambiental e MPE pede R$ 500 mil de multa

Usina estaria promovendo aumento das moscas da cana

Midiamax Publicado em 01/06/2017, às 20h57

None

Usina estaria promovendo aumento das moscas da cana

A unidade da Nova América Agrícola em Caarapó – a 273 km de Campo Grande – é investigada pelo MPE-MS (Ministério Público Estadual) por, supostamente, ter promovido o aumento da mosca da cana. A usina e propriedades rurais do entorno são alvo de Ação Civil Pública por, supostamente, despejarem um resíduo poluente, a vinhaça, que em excesso, fermenta em contato com material orgânico, e faz com que as moscas proliferem.

O promotor de Justiça Arthur Dias Júnior também move ação contra a Raíze, que adquire os produtos da Nova América. A promotoria pediu laudo técnico para a UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) que constatou, segundo a perícia, que as moscas aumentam durante a safra da cana. O promotor pede R$ 500 mil por danos morais coletivos.

A promotoria encaminhou diversas perguntas à empresa. Sobre a aplicação da vinhaça, a Nova América respondeu que é realizada “através de aspersão convencional, através de equipamentos auto-propelicíos, conhecidos com carretéis-írrigadores. A época de aplicação corresponde ao período de safra (abril a dezembro). Realiza-se o parcelamento de acordo com a textura do solo, topografia e condições de ventos, tendo como padrão duas aplicações em cada área”.

Usina é investigada por suposto dano ambiental e MPE pede R$ 500 mil de multa

Questionada sobre o destino da palha cana de açúcar, a empresa respondeu que “apó o processo de colheita de cana crua a palha fica a campo, visando a melhora da estruturação do solo tanto no aspecto químico quanto biológico, além de propiciar condições de redução da temperatura, contribuindo para o aumento na umidade e redução na compactação”.

A empresa também foi questionada sobre a existência de algum método utilizado para reduzir a camada de palha de cana de açúcar no solo. “Incorporação no solo, aleiramento, introdução cie variedades com potencial de produção de baixo volume de palha”, respondeu a Nova América.

A Raízen afirmou, no processo, que “não são exercidas atividades agrícolas ligadas ao cultivo de cana-de-açúcar, na medida em que a usina dedica-se exclusivamente à atividade agroindustrial de processamento da cana proveniente de sua Fornecedora Nova América S,A. Agrícola Caarapó”.

“Informamos que essas operações são de responsabilidade exclusiva da mencionada fornecedora, ficando a cargo dela – ou de terceiros por ela encontratados a gestão dos canaviais e de seus resíduos”, alegou.

Por que dano ambiental?

Além da Nova América em Caarapó, a unidade da Odebrecht Agroindustrial em Nova Alvorada do Sul – 120 km de Campo Grande – também é investigada pelo MPE-MS. A mosca da cana, cujo nome científico é Stomoxys calcitrans, pica os animais, a exemplo do gado, e causa a morte dos animais. A questão é duramente criticada por ambientalistas. Entenda mais aqui.

A Nova América em Caarapó afirmou ao Jornal Midiamax que “até o presente momento a empresa não foi notificada oficialmente sobre esta  questão, conforme a informação de nosso gerente Marcelo Avanzi”. A reportagem também consultou a assessoria de imprensa da empresa em São Paulo, que ainda não respondeu.

Jornal Midiamax