Política / Justiça

Suspeito de dopar e estuprar menina que conheceu no Facebook é solto

Caso aconteceu no início do mês

Midiamax Publicado em 30/06/2017, às 15h03

None

Caso aconteceu no início do mês

O homem de 24 anos preso depois de embebedar e estuprar uma menina de 12 anos no início deste mês em Ponta Porã, a 313 quilômetros de Campo Grande, teve a liberdade preventiva decretada. A decisão da 2ª Vara Criminal da cidade foi divulgada nesta quinta-feira (29) no Diário de Justiça de Mato Grosso do Sul.

O crime aconteceu no dia 12 de junho, após o suspeito buscar a menina da escola, a obrigar a beber e a estuprado. Ele foi preso quatro dias depois, com a ajuda da mãe da criança. Para continuar em liberdade, o suspeito precisará cumprir algumas medidas cautelares, entre elas não se aproximar menos de 100 metros da vítima, da família dela e das testemunhas do crime.Suspeito de dopar e estuprar menina que conheceu no Facebook é solto

Foi estipulado ainda que o réu não pode sair do município, não pode mudar de endereço sem comunicar a justiça e precisa comparecer mensalmente em juízo. Caso não cumpra as medidas, ou volte a cometer crime, será novamente preso.

Entenda o caso

A menina teria conhecido o suspeito pelas redes sociais e após conversarem, se encontraram no dia 12 deste mês. O homem teria buscado a garota na escola e a levado para a residência da irmã dele onde teria obrigado ela a ingerir bebidas alcoólicas e cometido o abuso.

Em seguida, ele devolveu a vítima na escola e mais tarde, quando o tio foi buscá-la, percebeu que a sobrinha estava bêbada e possivelmente drogada. Por isso a levou a um hospital. De acordo com o site Porã News, a mãe da menina flagrou as conversas da filha com o suspeito e marcou um encontro com o jovem.

Mas, antes de ir ao encontro se passando pela filha, a mulher acionou a polícia. No celular do suspeito, os policiais encontraram fotos das roupas íntimas da menina que possivelmente teriam sido tiradas quando ela estava desacordada. O homem já havia sido preso em 2013 durante as investigações sobre a execução de um taxista, mas foi solto após colaborar com a para a prisão dos três autores do crime.

Jornal Midiamax