Política / Justiça

TJ-RJ autoriza venda de sítio de Bruno para pagar pensão aos filhos

A Justiça do Rio de Janeiro acatou um pedido feito pela advogada Maria Lúcia Borges Gomes, que defende a mãe de Eliza Samudio, Sônia de Fátima Moura, e autorizou a venda do sítio do goleiro Bruno Fernandes. O local é onde a ex-amante do jogador teria sido mantida em cativeiro, em Esmeraldas, região metropolitana de […]

Arquivo Publicado em 25/01/2013, às 21h25

None
2091676519.jpg

A Justiça do Rio de Janeiro acatou um pedido feito pela advogada Maria Lúcia Borges Gomes, que defende a mãe de Eliza Samudio, Sônia de Fátima Moura, e autorizou a venda do sítio do goleiro Bruno Fernandes. O local é onde a ex-amante do jogador teria sido mantida em cativeiro, em Esmeraldas, região metropolitana de Belo Horizonte.



De acordo com a decisão, parte do dinheiro da venda do imóvel que estava bloqueado pela Justiça será destinado ao pagamento da pensão alimentícia do suposto filho de Bruno com Eliza, Bruninho, que atualmente vive com a avó. Segundo o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, o processo tramita em segredo, por isso não há informação sobre os valores pedidos.



Entretanto o advogado José Arteiro Cavalcante Lima, assistente de acusação no julgamento dos réus no caso, disse que a propriedade já teria sido vendida por R$ 400 mil no ano passado e que o dinheiro já teria até sido repassado à avó de Bruninho. “Foi vendido em novembro. Desvalorizou muito por que algumas pessoas que moram numa favela nas proximidades invadiram a casa e levaram tudo”, disse ele. Segundo Arteiro, o imóvel estaria avaliado atualmente em R$ 800 mil, mas já chegou a ter o valor de R$ 1,2 milhão.



A advogada Maria Lúcia Borges Gomes disse desconhecer a venda da propriedade. Para ela, o sítio ainda pertence ao jogador e, “mediante a uma futura indenização, o direito do filho poderá ser requerido”. A mãe de Eliza, que mora no Mato Grosso do Sul, também negou que a propriedade já tenha sido vendida e que tivesse recebido algum dinheiro, mas admitiu que receber a quantia referente à indenização será bem vinda para o futuro do neto. “Se vier a receber algo, vou guardar e investir no Bruninho. Em uma faculdade para ele. Eu não posso nem mexer nisso”, disse Sônia.



Já o advogado Francisco Simim, que defende a ex-mulher de Bruno, Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, informou que já existe um comprador para o sítio e que agora, com o fim do bloqueio judicial, a negociação poderá ser concluída. “Já foi feito o contrato, mas não foi pago”, afirmou. Simim destacou, porém, que Dayanne, mãe de dois filhos com goleiro, tem direto à metade do valor da venda do imóvel.



De acordo com o processo, o sítio do goleiro Bruno teria sido o local onde Eliza Samudio teria ficado em cárcere privado, antes de ser executada, em 2010. A polícia suspeitou de que o corpo tivesse sido enterrado na propriedade e realizou buscas no local, mas nenhum vestígio foi encontrado.

Jornal Midiamax