Política / Justiça

Justiça não transfere usuária de crack presa em banheiro de delegacia

Juíza da 1ª Vara da comarca de Chapadão do Sul, Luciane Buriasco de Oliveira é a responsável pelo destino de Loyane Souza Almeida, 23, usuária de drogas, detida por furtar desodorante em supermercado

Arquivo Publicado em 30/01/2010, às 13h20

None

Juíza da 1ª Vara da comarca de Chapadão do Sul, Luciane Buriasco de Oliveira é a responsável pelo destino de Loyane Souza Almeida, 23, usuária de drogas, detida por furtar desodorante em supermercado

A Justiça ainda não determinou a transferência de presa que há 9 dias ‘mora’ na delegacia de Chapadão do Sul. A juíza da 1ª Vara da comarca do município, Luciane Buriasco de Oliveira é a responsável pelo destino de Loyane Souza Almeida, 23, dependente de crack, que foi detida por furtar desodorante em supermercado no dia 21 de janeiro às 16h30.

Segundo informações da polícia, a jovem seria usuária de drogas. “Ela está acabada no crack”, diz o policial cujo nome foi preservado.

A polícia de Chapadão do Sul informou que já fez pedidos para que a presa seja levada para uma unidade prisional feminina, mas a resposta é que falta vaga. Loyane Almeida é mantida presa dentro do banheiro da delegacia.

Nas duas celas masculinhas há 23 homens. A cadeia provisória foi construída para receber no máximo oito presos, ou seja, hoje a lotação é três vezes maior. “Tem preso que está aqui na delegacia há um ano. Eles [policiais civis] não podem nem sair porque tem que cuidar deles [presos] e fazer serviço de carcereiro”, relatou um policial militar, cujo nome foi preservado.

O caso

Loyane Souza Almeida, 23, suspeita de furtar um desodorante de um supermercado é mantida presa há nove dias no banheiro da delegacia da Polícia Civil de Chapadão do Sul, cidade a 325 quilômetros de Campo Grande.

Desde 2006, quando tinha 19 anos, a jovem começou a se envolver em uma série de delitos, segundo a as. Foram ameaças, lesão corporal, perturbação da tranqüilidade, apropriação indébita, violação de domicílio e receptação. Na ficha corrida, 23 registros policiais o mesmo número da idade dela.

Em março de 2007, ela foi denunciada por maus tratos. O filho foi agredido pelo padrasto que o tentou matar com um facão, ela tentou intervir e acabou ferida. A criança foi afastada da mãe.

Loyane foi presa mais uma vez.

Às 16h30 ela e Edson Paulo de Arruda Júnior, 27, teriam invadido e furtado o Supermercado Econômico, centro da cidade, e lá teriam furtado a bolsa, bebida alcoólica e desodorante.

De acordo com o boletim de ocorrência, eles teriam escondido os produtos dentro de uma bolsa carregada por Edson. A dupla foi presa, mas Edson, mesmo algemado conseguiu escapar pulando um muro, mas ele foi capturado em seguida.

Loyane é mantida no banheiro a cadeia não reserva nenhuma sequer cela para mulheres.

Promotor e a juíza de Chapadão reuniram-se no começo da noite de ontem com o delegado João Carlos Dutra para buscar solução para o problema da falta de vaga em uma unidade prisional feminina. Pela Lei de Execuções Penais, ela deveria ser encaminhada para um local apropriado. Pelo furto de desodorante, a lei não prevê prisão, mas como a jovem é reincidente, a Justiça tem o dever de buscar uma solução para o fato.

Jornal Midiamax