Política / Bastidores

[BASTIDORES] Influencer

Da Redação Publicado em 30/06/2021, às 06h30

None

Influencer

A senadora Soraya Thronicke (PSL-MS) chegou à lista de assuntos mais comentados do Twitter durante sessão da CPI da Pandemia na terça-feira (29). A pressão sobre o deputado estadual do Amazonas, Fausto Junior (MDB), chamou a atenção de internautas que apoiam e até dos opositores ao presidente Jair Bolsonaro.

Proibido

Fausto Junior foi relator da CPI da Saúde no Amazonas, que investigou irregularidades na área após operação da PF (Polícia Federal). Questionado por Soraya, o deputado disse que o governador Wilson Lima (PSC) não foi convocado para depor porque a Constituição do Estado impediria.

Onde está isso?

Soraya voltou à carga e perguntou qual artigo especificava isso. Fausto disse que não sabia: "Não sou dono da CPI", disparou. A partir daí, uma confusão se iniciou e acabou forçando o encerramento da sessão.

Olha o respeito!

O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), não gostou da resposta e pediu respeito de Fausto a Soraya. "Ele não vai falar comigo dessa forma, estudei muito e ele vai falar tranquilamente. Ele não é doido", disse a sul-mato-grossense.

Fome

Após a dura série de questionamentos, a sessão acabou encerrada. Advogados de Fausto justificaram que, por ele não ter almoçado, as suas respostas não atenderam ao solicitado.

Homenagem

O vereador Clodoilson Pires (Podemos) quer premiar com o título de Cidadão Campo-grandense o colega de Câmara Municipal e de partido, vereador Zé da Farmácia. A proposta inusitada foi protocolada ontem (29).

Serviços relevantes

Pires narra no projeto de decreto legislativo parte da trajetória do parlamentar, que é natural de Vicentina. Ele justifica que o passado de Zé da Farmácia como líder comunitário na região das Moreninhas traduz “relevantes serviços prestados” a Campo Grande.

Nada impede

A resolução que regulamenta a concessão do título de Cidadão Campo-grandense prevê a honraria para não nascidos no município, mas residentes nele há pelo menos cinco anos. A norma não impede que um vereador contemple outro.

Jornal Midiamax