Com a saída do ex-presidente estadual do Podemos, Sérgio Murilo, que dá lugar à senadora Soraya Thronicke, vereadores de Campo Grande não sentiram grandes mudanças. Soraya assumiu a presidência estadual do partido no dia 5 de dezembro.

O vereador coronel Alírio Villasanti (União) relembrou que o partido tem apenas uma cadeira na Câmara Municipal. Mesmo com a saída de Soraya, ele afirmou que tem intenção de seguir no partido.

“A princípio pretendo continuar. Estamos organizando o União Brasil, buscando fazer uma chapa competitiva de vereadores”, disse.

Enquanto isso, o Podemos tem duas cadeiras na Casa de Leis. Mesmo com a saída de Murilo, os dois vereadores também devem continuar na sigla.

Ronilço Guerreiro disse ao Midiamax que a direção do partido não faz muita diferença e que ele tem a intenção de continuar na sigla. “A minha vontade é ficar no Podemos. Sinto a vontade e não gosto de ficar trocando de partido. Eu acho que se fidelizar é ter bandeira. Não estou no Podemos para um projeto pessoal e sim coletivo”, explicou.

Clodoilson Pires também deve continuar no Podemos, mas adianta que é necessário o partido oferecer suporte para que o vereador consiga disputar uma eleição. “Estou aguardando os desdobramentos para ver se fico ou se tomo alguma decisão. Pretendo ficar, mas é necessário o partido ter uma chapa competitiva, que de chances para concorrer. Não tenho intenção de deixar o partido, mas ele precisa no dar suporte”, afirmou.

Saída de Sérgio Murilo

Na segunda-feira (11), o ex-presidente estadual do Podemos confirmou que deixa o partido e não buscará nova filiação. A decisão do político acontece após a senadora Soraya Thronicke assumir o diretório no Estado.

“Não vou permanecer no Podemos, mas não tenho nenhuma disposição em buscar outra legenda”, comentou com o Jornal Midiamax.

Questionado sobre debandada do partido diante da sua saída, Sérgio Murilo disse que os correligionários ficaram ‘liberados’ para decidir o futuro dentro da sigla. “Todos os meus parceiros ficaram liberados para decidir conforme seus interesses políticos em cada município”, disse.

A nova presidente estadual da legenda disse que a sigla priorizará alianças para as Eleições de 2024.

“Existe um apoio nosso de parlamentar para o governo do Estado. O governo do Estado é PSDB. Eu estou muito alinhada com o governador Eduardo Riedel e a nossa intenção é ajudar e trabalhar pelo Mato Grosso do Sul cada vez mais”, disse Soraya.

A presidente lembrou que não há possibilidade de federações mais. “A gente tem várias outras formas, não podemos fazer uma coligação aqui a nível municipal, por exemplo, mas podemos fazer alianças e isso importa muito”, destacou.

Saídas do partido

Soraya comentou no dia da posse sobre as possíveis saídas do Podemos após anúncio de que ela assumiria a legenda. “Olha, [disseram] que todos iriam sair, mas nós já temos aqui vários filiados que não debandaram. Eu não entrei nessa e não vou entrar, são questões internas que não precisam tomar uma conotação”, pontuou.

Soraya disse ainda que o partido está de braços abertos para construção. “Eu não tenho tempo para brigar, eu só tenho tempo para juntar”, disse.

Sobre o agora ex-presidente da sigla, Sérgio Murilo, disse que “ele teve uma participação muito importante”. Então, destacou que o projeto de Sérgio continua de pé dentro do partido. “Então, está tudo bem com ele, gosto muito dele. Tenho certeza que todo Podemos gosta e ele é importante pra todos nós”, ressaltou.