Audiência de instrução e julgamento que estava marcada para o dia 8 de maio foi adiada, para agosto deste ano. O processo trata de um esquema de corrupção na Prefeitura de Ladário, objeto de operação em 2019.

Conforme despacho do juiz Alan Robson de Souza Gonçalves, da 2ª Vara Criminal de Corumbá, o procedimento foi adiado para 15 de agosto. Isso, porque o ex-prefeito Carlos Anibal Ruso, réu no processo, passou por cirurgia e deve permanecer em repouso por 90 dias.

Inicialmente, a audiência para depoimento de testemunha foi marcada para fevereiro, mas já havia sido adiada. Assim, o juiz Idail De Toni Filho, da 2ª Vara Criminal de Corumbá, reagendou a audiência para 8 de maio. No entanto, novamente acabou adiada.

Foram intimados para participar Andressa Paraquett, ex-secretária de Assistência Social, e Eiza Nadila Bassoli, ex-servidora da Assistência Social. Ainda o ex-prefeito Carlos Ruso, Felipe Castilho da Silva e Marcos Alexsander Miranda.

Acusados de peculato

Conforme apontado na denúncia do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), em 2017 Andressa e Eiza, juntamente com a testemunha e outros indivíduos, teriam integrado um esquema de desvio de recursos públicos.

Isso ocorria por meio de contratações diretas fraudadas ou superfaturadas. Ainda conforme a denúncia, Andressa ocupava cargo de secretária da Assistência Social. Depois, assumiu a Secretaria de Administração de Ladário.

Para o lugar dela, foi nomeada Eiza, que ocupou cargo entre 2017 e 2018. Desta forma, as duas servidoras e a testemunha teriam atuado no esquema de desvio de verbas públicas. Para a acusação, Andressa assumia posição de chefe do esquema.

Em julho de 2017, foi constatado desvio de R$ 3,2 mil de licitação direta de serviço de pedreiro para demolição de uma escada e construção de rampas de acessibilidade. Outro réu teria recebido o dinheiro em conta e repassado, atuando como laranja.

Já em dezembro, as duas servidoras, junto com a testemunha, desviaram R$ 5,4 mil. Esse valor era referente a processo de licitação para serviço de pintura. Desta vez, Felipe teria recebido o valor e repassado.

Na última ocasião constatada pelo MPMS, em junho de 2017, Andressa e o ex-prefeito Carlos, junto com a testemunha, desviaram R$ 5 mil. O valor era referente a um processo de licitação para serviço de desmontagem e montagem de divisória naval no setor de administração da Prefeitura Municipal de Ladário.

Enquanto isso, Marcos Alexsander recebeu o dinheiro em conta e repassou para os criminosos. “Os denunciados, de comum acordo, articularam o superfaturamento da contratação de serviço, aproveitando-se de uma pequena demanda”, pontuou o MPMS.

Por fim, os acusados foram denunciados por peculato e ainda foi feito pedido para perdimento dos cargos públicos e ressarcimento do prejuízo causado. Esse valor de R$ 13.600, já com juros e correção, estava avaliado em R$ 32,8 mil na época da denúncia, em 2021.