Projeto com isenção de ISS ao transporte coletivo será entregue na quinta-feira, diz Marquinhos

Município aponta que renúncia mantém tarifa em R$ 4,40, menos do que o Consórcio Guaicurus pleiteia
| 01/02/2022
- 14:38
Prefeito de Campo Grande
Prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, durante agenda nesta terça-feira (1º) - (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax)

Projeto de lei com a isenção do ISS (Imposto Sobre Serviços) ao , concessionária do transporte coletivo em Campo Grande, será entregue na Câmara Municipal na quinta-feira (3), segundo o prefeito (PSD). É primeira sessão ordinária de 2022.

Se a isenção for confirmada, deixam de entrar nos cofres públicos R$ 1 milhão. A medida já tinha sido anunciada por ele como forma de manter a tarifa de ônibus em R$ 4,40 neste ano — antes, era R$ 4,20, mas as empresas de ônibus pediam pelo menos R$ 5,12. A Prefeitura de Campo Grande rejeitou aumento acima de 5% e a concessionária fez algumas solicitações para que o preço ficasse nos atuais R$ 4,40, sendo uma delas, a isenção.

Além da isenção, a concessionária receberá 'perdão' pelo imposto que deixou de pagar no ano passado.

Os vereadores, no entanto, dizem que vão analisar a proposta com cautela e cogitam abrir CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar o contrato mantido entre o Consórcio Guaicurus e o município. O presidente da Casa de Leis, vereador Carlos Augusto Borges, conhecido como Carlão (PSB), disse que há requerimento assinado por todos os vereadores, com pedido de investigação.

"Assinamos e ficamos de ver em fevereiro [se a CPI será aberta]. Agora, apareceu esse pedido de isenção para nós analisarmos juntos", disse o dirigente ao Jornal Midiamax.

 

Veja também

Senadores de Mato Grosso do Sul votaram a favor da PEC (Proposta de Emenda à...

Últimas notícias