‘Não confie em ninguém’, diz em TikTok prefeito acusado de lucrar com rifa de Opala

Rifa para caridade é suspeita de ter gerado lucro para o prefeito e a esposa
| 18/02/2022
- 18:12
Prefeito pede patrocínio para andar pelo Estado com a Dodge Ram que vale mais de R$ 400 mil.
Prefeito pede patrocínio para andar pelo Estado com a Dodge Ram que vale mais de R$ 400 mil. - Foto: Reprodução | Redes Sociais.

Com rifa de Opala barrada pela Justiça, o prefeito de Ivinhema, Juliano Barros Donato — conhecido como Juliano Ferro — aposta em vídeos motivacionais no TikTok. “Não confie em ninguém”, aconselhou os seguidores após bloqueio dos bens da esposa.

Quase dois dias após o bloqueio de R$ 300 mil, Juliano publicou vídeo com título de ‘Cala sua boca’. "Somos escravos do que falamos, a gente paga caro às vezes, então gente, fique de boca calada, guarde seu sucesso para você, não confie em ninguém", disse ele na publicação do TikTok.

Com 209 mil seguidores na plataforma, Juliano se intitula ‘o prefeito mais louco do Brasil’. O conteúdo do perfil é dividido entre vídeos motivacionais, ostentação de carros e viagens, vida familiar e publicidades da rifa do Opala.

Após ter bens bloqueados e o sorteio de um Opala barrado pela Justiça, Juliano Ferro busca fazer um acordo. O MPMS (Ministério Público de ) informou que foi procurado pelo gestor da cidade, na última quarta-feira (16).

Quem responde pelo processo é a esposa de Juliano, que teve R$ 300 mil em bens bloqueados pela Justiça. Além disso, o casal foi proibido de sortear o Opala que é prêmio de uma ação entre amigos que teria rendido o valor total barrado. Segundo o Ministério, após a efetivação da solicitação, a audiência de conciliação será marcada e realizada.

Lucro com rifa

O bloqueio dos R$ 300 mil foi determinado pelo juiz Rodrigo Barbosa Sanches, da 1ª Vara de Ivinhema, a 291 quilômetros de Campo Grande. Há suspeita de irregularidades no sorteio que doaria valores para entidades, mas seria para potencializar lucros pessoais.

Segundo promotor Daniel do Nascimento Britto, da 1ª Promotoria de Justiça local, “embora seja louvável a atitude de querer beneficiar entidades assistenciais, certo é que o expediente utilizado é ilegal, já que sua prática implica em contravenção penal e beneficiaria em muito, a ele próprio”.

Foi constatado que o valor de cada bilhete da rifa era de R$ 30 e as informações são de que cerca de 10 mil números foram vendidos por meio de PIX para a conta da esposa, totalizando os R$ 300 mil da ação.

A entidade beneficiada seria o 'Cantinho Bem-Me-Quer', responsável pelo recebimento de crianças e adolescentes em situação de risco do Município de Ivinhema e Novo Horizonte do Sul. Ocorre que, conforme o MPMS, o próprio prefeito disse que o Opala, ano 1979, valia em média de R$ 80 a R$ 100 mil.

Assim, o promotor acredita que tudo não tenha passado de uma cortina de fumaça a fim de acobertar a verdadeira intenção de Juliano e da esposa, que era aumentar os ganhos com o sorteio do automóvel.

Dodge Ran

Vídeo compartilhado nas redes sociais mostra Juliano Ferro agradecendo pela rifa que o possibilitou a compra de uma caminhonete Dodge Ram avaliada em aproximadamente R$ 400 mil. Vale lembrar que R$ 300 mil em contas da esposa dele estão bloqueados, justamente por suspeita da ‘ação entre amigos’ para caridade, com suspeita de lucros pessoais para o prefeito.

Nas imagens, o prefeito aparece ao lado de uma Dodge Ram aparentemente nova. De acordo com a tabela Fipe, o modelo 2.500, idêntico ao mencionado por Juliano, está avaliado entre R$ 434,400 mil e R$ 462,261 mil no ano 2022. O modelo 2021, por exemplo, está cotado entre R$ 422,878 mil e R$ 450,326 mil.

Após divulgar a compra do veículo, o prefeito investigado fez publicação no TikTok sobre um projeto com a Dodge Ram — apelidado de Dogdão Assombrado. Juliano pede patrocínio de empresários para visitar as 79 cidades de Mato Grosso do Sul com o carro. “Quero convidar você para fazer parte disso, você empresário que quer ser patrocinador e colocar o seu slogan no Dogdão Assombrado é nosso convidado, entre em contato pelas ”, lança o pedido na plataforma.

Veja também

O juízo da Vara de Falências, Recuperações, Insolvências e Cartas Precatórias Cíveis de Campo Grande...

Últimas notícias