Eleição suplementar de Angélica poderá ter três candidatos na disputa

Após um ano e três da posse do prefeito interino, TRE-MS definiu a data para escolher o novo prefeito de Angélica
| 06/04/2022
- 16:17
Foto: montagem
Pré-candidatos vão disputar o pleito em Angélica

Com dois pré-candidatos oficiais e um ainda não definido, a eleição suplementar para de Angélica, distante a 261 quilômetros de Campo Grande, será movimentada pelo prefeito interino, o ex-prefeito e a criação de uma nova chapa entre o PDT, MDB e PTB, para compor um nome ao pleito.

Dos três pré-candidatos, dois já são conhecidos no município como o prefeito interino, Boquinha (PSDB) e o ex-chefe do executivo, Roberto Cavalcantti (União Brasil). Ambos confirmaram que entraram na disputa pelo cargo, mas ainda não definiram a composição de chapa.

Aparecido Geraldo Rodrigues, mais conhecido como Boquinha, assumiu a prefeitura de Angélica em janeiro de 2021, mas foi eleito como vereador e atuava como presidente Câmara dos Vereadores. Ao Jornal Midiamax, o atual gestor interino afirmou que irá disputar a eleição pelo partido tucano, pois a população vem correspondendo bem ao seu mandato até então.

"Acredito que tenho feito um bom trabalho e isso vem sendo muito bem pontuado pela população. Decidi concorrer como pré-candidato para dar continuidade a esse mandato, agora oficialmente como prefeito eleito. Estou conversando com o grupo político e estamos definindo a composição de chapa, quem atuará como vice-prefeito e as articulações finais", pontuou.

Roberto Cavalcantti (União Brasil) ressaltou que foi convidado pelo pré-candidato do PSDB, mas desistiu de compor a chapa por problemas partidários internos e seguirá com a pré-campanha em busca da reeleição. "Estava até estudando a hipótese de atuar ao lado da chapa do Boquinha, pois na coligação que concorri a reeleição, o grupo político dele foi reciproco a mim e vice-versa. No entanto, eu vinha um sofrendo um boicote por aqueles que ajudei eleger, então após isso conversei com o partido e decidi me lançar a pré-candidato. Se ganhar bem, agradeço a Deus, e se não ganharmos, também iremos agradecer", destacou.

Chapa nova

Após a condenação, João Cassuci (PDT) explicou que a composição de chapa ainda não foi definida, mas que o PDT, MDB e PTB irá apoiar a candidatura de um novo pré-candidato, escolhido por ele e pelo grupo político.

"Não irei apoiar nenhum desses dois nomes já existentes, pois os cidadãos já conhecem o sistema de trabalho deles e isso não está realmente agradando a população. Já que tivemos a candidatura impugnada, estamos estudando lançar um novo pré-candidato com uma chapa forte, capaz de concorrer com esses nomes", frisou.

Eleição suplementar

A decisão do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso do Sul), acatou a condenação do prefeito eleito em sub judice, João Donizeti Cassuci (PDT) e definiu um novo calendário para eleger um novo chefe do executivo ao munícipio.

No dia 15 de maio, os 5.558 eleitores do município de Angélica vão às urnas para escolher o novo prefeito. Confira o calendário definido pelo TRE-MS.

a) 08 a 14/04: convenções partidárias;

b) 17/04: último dia para registro das candidaturas;

c) 18/04 a 14/05: início e término da propaganda em geral, salvo rádio e TV;

d) 23/04 a 12/05: início e término da propaganda no rádio e TV;

e) 15/05: dia da eleição;

f) 20/05: último dia para entrega da prestação de contas;

g) 02/06: último dia para o julgamento das contas;

h) 03/06: último dia para a diplomação dos eleitos;

i) 04/06: último dia para a posse dos eleitos

Veja também

Partido lançará candidatos apenas para chapa proporcional e não formalizou nenhum apoio no MS

Últimas notícias