Deputado tem 48h para justificar tiros em sessão e pode ir para Conselho de Ética

Deputado declarou voto com 'salva de tiros' durante sessão da Alems
| 23/05/2022
- 16:17
tiros Deputado João Henrique Catan (PL) é autor do projeto de lei
Deputado declarou voto com tiros durante sessão remota. Foto: Reprodução. - Assessoria

A denúncia da ‘salva de tiros’ durante sessão da Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) pode ir para o Conselho de Ética. Isso porque o corregedor da Alems, deputado (MDB), irá solicitar que o João Henrique Catan (PL) preste esclarecimentos em até 48h.

Segundo assessoria do corregedor da Alems, Renato Câmara está solicitando "instrução processual, cientificado e oportunizando ao deputado João Henrique Catan, para que o mesmo apresente esclarecimentos”. O prazo para posicionamento do deputado autor dos tiros em sessão remota da Alems é de 48h.

“Caso o deputado João Henrique não cumpra o prazo, o processo será encaminhado ao Conselho de Ética”, informou a equipe do corregedor.

Denúncia

A denúncia foi protocolada na Corregedoria da Alems por três deputados estaduais, contra João Henrique Catan (PL). Assinaram o pedido os deputados Amarildo Cruz (PT), (PSB) e Pedro Kemp (PT).

O documento foi formalizado após Catan declarar voto com uma ‘salva de tiros’ durante sessão remota da Assembleia. Assim, os deputados protocolaram a denúncia para que a Corregedoria avalie uma possível quebra de decoro parlamentar pela prática do ato.

'Salva de tiros'

O deputado estadual João Henrique Catan (PL) atirou remotamente durante a votação de um projeto sobre armamento, na sessão de 17 de maio, na Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul).

Em um lugar que parece ser um clube, João atirou quando disse sim ao projeto. Ao invés de uma salva de palmas, ele disse ‘uma salva de tiros’, fazendo vários disparos logo em seguida.

Questionado sobre a denúncia, Catan afirmou que será uma honra discutir com o PT e que as acusações protocoladas são levianas, mas que vai aguardar a notificação para se pronunciar formalmente.

“Para mim é uma honra poder discutir com o PT, mais uma vez desmascará-los e também protocolando uma representação de verdadeiras infrações éticas que aconteceram. Acusações levianas só merecem ser enfrentadas com a verdade. Só não vou me manifestar mais especificamente agora porque ainda não fui notificado”, falou o deputado.

Catan responde em vídeo

Nas redes sociais, o deputado João Henrique Catan compartilhou um vídeo sobre o assunto. O parlamentar destacou que estava de forma remota durante a sessão.

“Online, eu estava praticando um esporte que eu gosto, que eu acredito que é importante ser difundido no Mato Grosso do Sul e no Brasil, que é o tiro esportivo”, afirmou. Em seguida, o deputado diz “vocês vão ver o vídeo de quem realmente está me atacando”.

Recortes do vídeo em que Pedro Kemp aparece gritando com uma pré-candidata foram compilados na publicação. Em 2021, o deputado estadual chegou a se desculpar pelo barraco que causou durante a campanha de 2020.

Sobre o vídeo de Kemp, Catan comentou que “o ofensor nesse nível não consegue obter o porte de arma”. E finalizou dizendo que “armas não matam pessoas, mas pessoas de más condutas, essas pessoas matam e a grande maioria delas estão na cadeia recebendo sua punição”.

*Matéria editada às 16h35 para acréscimo do posicionamento sobre a denúncia da salva de tiros em vídeo do deputado Catan.

Veja também

O partido também confirmou a pré-candidatura de Tiago Botelho na disputa ao Senado

Últimas notícias