Política

Morre aos 83 anos ex-prefeito de Maracaju, Prata Braga, em decorrência de infarto

Prata Braga estava em município de Goiás, para onde foi conhecer netos gêmeos recém-nascidos

Guilherme Cavalcante Publicado em 11/05/2021, às 08h21

O ex-prefeito de Maracaju, Prata Braga
O ex-prefeito de Maracaju, Prata Braga - Foto: Reprodução | Facebook

Faleceu na noite da última segunda-feira (10), aos 83 anos, o ex-prefeito de Maracaju, Luiz Gonzaga Prata Braga, em decorrência de um infarto. Ele estava na cidade de Rio Verde, no estado de Goiás, onde estava para conhecer netos gêmeos que a nasceram recentemente.

Também conhecido como “Prata”, o ex-prefeito era um dos políticos mais populares de Maracaju, eternizando o bordão “é tempo de loucura”. Esteve à frente do município em dois mandados: o primeiro de 1977 a 1983 e o segundo de 1989 a 1993.

É atribuído ao ex-prefeito a modernização de Maracaju, responsável pelo asfaltamento de parte da cidade e também pela construção, em seu primeiro mandato, do estádio que leva seu nome e também conhecido como “Loucão”, em alusão a seu bordão. Em seu segundo mandado, a frase célebre foi atualizada e tornou-se “a loucura continua”.

O falecimento de Prata Braga mobilizou homenagens entre políticos. O governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que foi prefeito de Maracaju, manifestou-se com pesar em suas redes sociais.

“Maracaju perde um homem diferente, que veio de longe e ajudou a construir a história do município. O ex-prefeito Prata Braga deixa um legado de realizações, muitos amigos e um exemplo de pessoa que sabia se conectar com a população. Que Deus conforte a sua família!”, publicou o governador.

Atual prefeito da cidade, Marcos Calderan (PSDB) também lamentou a partida de PRata Braga. “Lamentamos a perda do ex-prefeito Luiz Gonzaga Prata Braga, que faleceu hoje (…). Prata Braga deixou sua marca de trabalho, alegria e irreverência registrada na história de Maracaju. Que Deus conforte os seus familiares e amigos”.

A família ainda não divulgou informações sobre velório e sepultamento.

Jornal Midiamax