Política

Deputados de MS pedem afastamento do ministro de Meio Ambiente Ricardo Salles

Ricardo Salles foi alvo de operação da PF por suspeita de afrouxar regras de exportação de madeira

Renata Volpe Publicado em 20/05/2021, às 10h15

Deputados Pedro Kemp (PT) e Eduardo Rocha (MDB)
Deputados Pedro Kemp (PT) e Eduardo Rocha (MDB) - Reprodução

Os deputados de Mato Grosso do Sul afirmaram que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, precisa ser afastado do cargo. Os comentários foram feitos durante sessão remota nesta quinta-feira (20).

Salles foi alvo de operação da PF (Polícia Federal) na última quarta-feira (19). Ele e o presidente do Ibama, Eduardo Bim, e outros servidores da área, foram alvos da operação. A acusação é que o ministério e o Ibama afrouxaram regras de exportação de madeira para facilitar a venda de produto de origem ilegal.

Segundo Pedro Kemp (PT), Salles foi apontado como um dos maiores inimigos globais do meio ambiente. “Ele é ligado a grileiros de terra, madeireiros. Em uma reunião ministerial, ele chamou oSTF de bando de vagabundo. Quem é vagabundo é ele que promove desmonte na pasta do meio ambiente”, criticou.

Ainda conforme o deputado, o PT nacional pede o afastamento do ministro durante as investigações. “Salles foi apontando pela PF como facilitador de esquema ilegal aos EUA o que teria acarretado movimentações financeiras atípicas no escritório de advocacia dele, que teria movimentado R$ 14 milhões”.

Por fim, o deputado afirma esperar que o STF (Supremo Tribunal Federal) determine o afastamento do ministro. “Ele estando na pasta pode prejudicar as investigações, por isso sua saída é necessária. Mas não só pelas investigações, mas se ele permanecer no cargo, vamos ter danos irreparáveis para o meio ambiente”.

O deputado Eduardo Rocha (MDB) disse que a queixa crime contra Salles feita pelo delegado regional do Amazonas. “Aconteceu que o delegado foi retirado do cargo. Então tem gente maior, protegendo o que está acontecendo de mal para o meio ambiente no nosso país”.

Rocha disse estar na hora de enquadrar e demitir o ministro.

Jornal Midiamax