Política

DEM aguarda definição sobre futuro de Bolsonaro para avaliar impactos na legenda em MS

Há expectativa que o presidente Bolsonaro migre para o PP e leve nomes do DEM com ele

Marcos Morandi Publicado em 02/08/2021, às 15h16

Ministra Tereza Cristina, durante evento político em Dourados
Ministra Tereza Cristina, durante evento político em Dourados - Marcos Morandi

Com especulações no cenário nacional sobre uma eventual migração do presidente da República Jair Bolsonaro para o PP (Partido Progressista) e que pode provocar algumas mudanças em outras legendas como no DEM, que seria fortemente influenciado por essa decisão, o presidente da legenda em Dourados, Madson Roberto Pereira Valente, afirma que o partido 'segue coeso' na cidade.

“O DEM no Brasil é extremamente forte, sobretudo no Mato Grosso do Sul, por seus grandes quadros, entre estes Ministra Tereza Cristina, o vice-governador Murilo Zauith e os deputados estaduais Zé Teixeira e Barbosinha, além de uma ampla bancada de vereadores em nosso estado, em especial em Dourados”, avalia Madson. 

Segundo o dirigente, para 2022, o DEM tem pretensão de lançar candidato próprio à presidência. “Acredito que as especulações nestes períodos são normais, inclusive são salutares, compreendo que pela grandeza do Democratas o partido pode obviamente possuir um projeto majoritário e ter o seu candidato a presidente da República”.

Questionado pelo Jornal Midiamax a respeito de arranjos capitaneados pelo senador Ciro Nogueira e agora ministro de Bolsonaro, a respeito de uma eventual migração de Tereza Cristina (DEM) para o PP, e que também poderia incluir a saída do deputado estadual Barbosinha, o presidente do diretório de Dourados afirmou que as particularidades locais devem ser levadas em consideração.

“Avaliando as afinidades entre Tereza Cristina e Barbosinha, isso pode obviamente acontecer, mas ressalto que ambos estão confortáveis no Democratas e são como outros quadros do partido, nossos expoentes”, explica o dirigente partidário.

Jornal Midiamax