Política

‘Tudo para proteger o grupo’, diz Contar sobre colegas após flagra de superfaturamento

O deputado estadual Capitão Contar comentou nesta sexta-feira (21) a deflagração da Operação Penúria, realizada após denúncia protocolada pelo parlamentar na Polícia Federal de Mato Grosso do Sul após desconfiar de superfaturamento na compra de cestas básicas. “Era um pedido de informações, que foi barrado, para proteger o grupo”, comentou, ao lembrar que por maioria, […]

Evelin Cáceres Publicado em 21/08/2020, às 12h02 - Atualizado às 18h53

Capitão Contar (Foto: Luciana Nassar/ALMS)
Capitão Contar (Foto: Luciana Nassar/ALMS) - Capitão Contar (Foto: Luciana Nassar/ALMS)

O deputado estadual Capitão Contar comentou nesta sexta-feira (21) a deflagração da Operação Penúria, realizada após denúncia protocolada pelo parlamentar na Polícia Federal de Mato Grosso do Sul após desconfiar de superfaturamento na compra de cestas básicas. “Era um pedido de informações, que foi barrado, para proteger o grupo”, comentou, ao lembrar que por maioria, os deputados impediram o requerimento feito ao Governo do Estado sobre os gastos.

Sem respostas, o deputado protocolou denúncia, que culminou na operação desta sexta contra as compras realizadas pela gestão do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). Contar disse ter levantado preços de cestas básicas com os mesmos itens do Governo de Reinaldo Azambuja (PSDB) a fim de viabilizar doações, quando percebeu que os mesmos itens, comprados em um mercado de Campo Grande e de grandes marcas, ainda assim, resultariam em um preço menor que o pago pelo governo.

“Estranhei, refiz as contas. Pedi a lista da cesta de novo, conferi e não batia. Resolvemos ligar então na mesma fornecedora do Governo do Estado e, para a minha surpresa, mesmo com frete, sairia mais barato que o governo pagou”, recordou.

Nesta sexta, Contar reforçou sua confiança nas instituições. “Denunciei à Polícia Federal e o Ministério Público investigou, então o papel está feito, de investigar. Não importa se é verba estadual, federal, o que importa é que nós, parlamentares, temos que cumprir o nosso papel de ficar de olho nos gastos públicos, no dinheiro que deve ser investido na população”.

Briga judicial

Após levar o caso às redes sociais, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) acionou judicialmente o deputado em maio e acabou desistindo da ação, em julho.

Contar divulgou tanto no Facebook quanto no Twitter montagens da contratação da empresa Tavares e Soares LTDA, o Farturão Cestas Básicas, para fornecer 60 mil cestas básicas de alimentos pelo custo total de R$ 5.820.000,00. Nas contas feitas pelo deputado, ele afirmou que cada item custou ao governo R$ 97,00 em cada unidade. O pagamento foi feito com verba federal e sem licitação.

Jornal Midiamax