Política

Início de vacinação depende apenas de autorização da Anvisa, diz Marquinhos

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), afirmou ao Jornal Midiamax na tarde desta terça-feira (29) que aguarda apenas o registro da vacina Coronavac pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para iniciar a imunização na Capital, prevista para o próximo mês. A Coronavac foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech, em parceria com […]

Guilherme Cavalcante Publicado em 29/12/2020, às 17h19 - Atualizado em 30/12/2020, às 08h39

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD) | Foto: Marcos Ermínio
O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD) | Foto: Marcos Ermínio - O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD) | Foto: Marcos Ermínio

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), afirmou ao Jornal Midiamax na tarde desta terça-feira (29) que aguarda apenas o registro da vacina Coronavac pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para iniciar a imunização na Capital, prevista para o próximo mês.

A Coronavac foi desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech, em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo. Na última segunda-feira (29), o Butantan afirmou que já tem cerca de 11 milhões de doses do imunizante disponíveis, mesmo antes da Anvisa emitir a autorização.

Mais cedo, nas redes sociais, Marquinhos havia informado que o município de Campo Grande já havia enviado ao Butantan documento no qual relata interesse em adquirir um total de 343 mil doses da Coronavac, sendo 121.736 doses no próximo mês de janeiro, mais 104.345 em fevereiro e 121.736 doses em março. O custo das doses ainda deverá ser informado ao Executivo Municipal.

Á reportagem, o prefeito também destacou que Campo Grande e Rio de Janeiro serão as primeiras capitais a receberem a vacina. A aplicação, portanto, vai depender apenas da agência de vigilância sanitária. Por aqui, os primeiros grupos a serem imunizados serão profissionais da saúde e idosos.

“Ao lado do Rio, seremos os primeiros a receber essas vacinas. Dependemos só da Anvisa aprovar. Na hora que autorizar, receberemos e iniciaremos a aplicação”, detalhou. Marquinhos ainda pontuou que a aplicação ocorrerá de forma independente do Plano Nacional de Vacinação anunciado pelo Governo Federal.

Vacinação em MS

Também nesta terça-feira, o Governo de MS publicou vídeo no qual o titular da SES (Secretaria Estadual de Saúde), Geraldo Resende, afirma que o Estado já tem um “acordo” com o Instituto Butantan para garantir doses da vacina para o Estado, caso o plano de imunização do Governo Federal demore e outros estados da federação comece a imunizar os moradores.

“Estamos adiantados no processo de negociações com o Instituto Butantan e assinamos uma carta de intenção com o diretor do instituto. Nós não queremos que a população fique na espera da vacina se outras unidades da federação começarem a imunizar a sua gente. MS espera que o plano nacional, que é do Governo Federal e Ministério da Saúde, possa nos remeter todo o quantitativo de vacinas a partir do início da imunização no país”, disse o secretário.

Jornal Midiamax