Política

Simone Tebet lança candidatura avulsa à presidência do Senado

[Atualizado às 12h19]  A senadora Simone Tebet (MDB-MS) se inscreveu para também disputar a presidência do Senado como candidata avulsa, ou seja, sem o apoio do partido, que optou por Renan Calheiros, segundo o portal de notícias da Casa. A decisão foi tomada durante o debate que vai eleger o presidente do parlamento pelos próximos dois anos, […]

Richelieu Pereira Publicado em 02/02/2019, às 12h02 - Atualizado às 13h51

(Foto: reprodução/Agência Senado)
(Foto: reprodução/Agência Senado) - (Foto: reprodução/Agência Senado)
Simone Tebet lança candidatura avulsa à presidência do Senado
(Foto: reprodução/Agência Senado)

[Atualizado às 12h19]  A senadora Simone Tebet (MDB-MS) se inscreveu para também disputar a presidência do Senado como candidata avulsa, ou seja, sem o apoio do partido, que optou por Renan Calheiros, segundo o portal de notícias da Casa. A decisão foi tomada durante o debate que vai eleger o presidente do parlamento pelos próximos dois anos, neste sábado (2).

A parlamentar sul-mato-grossense solicitou que fosse aberta a palavra para que os senadores pudessem se pronunciar a respeito de toda confusão causada desde sexta-feira (1º) para definir o novo chefe da Casa. Caso contrário, colocaria seu nome na disputa como candidata, o que acabou acontecendo.

“Diante do cenário que estamos vivendo, da situação lamentável, vexatória perante à população brasileira e aos olhos do mundo […]. É preciso reparar o erro de ontem perante à sociedade brasileira. […] É fundamental que nessa sessão, onde milhares, talvez milhões de brasileiros estejam nos ouvindo e nos escutando, nós possamos fazer um pedido público de desculpas”, discursou Simone.

O senador José Maranhão (MDB-PB), que preside a sessão preparatória, afirmou que permitiu aos colegas debaterem e, com isso, atendido a demanda de Tebet, mas a candidatura foi posta mesmo assim.

Até o momento, apresentaram candidatura oficialmente Davi Alcolumbre (DEM-AP), Fernando Collor (Pros-AL), Álvaro Dias (Pode-PR), Angelo Coronel (PSD-BA), Major Olímpio (PSL-SP), Renan Calheiros (MDB-AL) e Esperidião Amin (PP-SC).

Desistência

Nesta semana, foi levantada a possibilidade de Simone Tebet lançar uma candidatura avulsa para bater de frente com Renan Calheiros e inclusive, foi convidada por demais senadores a se juntar ao Podemos, mas a parlamentar descartou a chance.

“Percebi que a minha candidatura poderia atrapalhar a estratégia e dividir ainda mais os votos [de um candidato viável para derrotar Renan], então, entrei na campanha anti-Renan. Nós estamos todos nos unindo para poder garantir num segundo turno alguém com condições de vencer as eleições”, explicou.

Sessão suspensa

A sessão preparatória para eleição do novo presidente do Senado foi suspensa na noite de sexta-feira e está prevista para ser reaberta na manhã de sábado. A presidência interina da Mesa passará do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) para o senador mais idoso da casa, José Maranhão (MDB-PB).

A reunião em que seria escolhido o novo presidente do Senado foi adiada após cinco horas de discussões. O impasse se deu em torno da decisão pelo voto aberto. A sessão foi marcada por reações acaloradas de senadores, vários dos quais não aceitaram a mudança do rito para escolha do novo presidente. Como não houve acordo, a sessão foi suspensa e remarcada.

Jornal Midiamax