Política

Reinaldo e Marquinhos liberam recursos para retomada de obras na Capital

Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e prefeito Marquinhos Trad (PSD) assinaram, na tarde desta terça-feira (2), liberação de recursos para retomada das obras dos Residenciais Rio Pimentel I e II, paradas desde 2018, no jardim Centro-Oeste, região sul de Campo Grande. Parte do Programa Minha Casa Minha Vida, os residenciais foram orçados em R$13,8 milhões, contemplando […]

Maisse Cunha Publicado em 02/04/2019, às 10h34

Promessa de entrega acompanha famílias há anos (Foto: Marcos Ermínio/Midiamax)
Promessa de entrega acompanha famílias há anos (Foto: Marcos Ermínio/Midiamax) - Promessa de entrega acompanha famílias há anos (Foto: Marcos Ermínio/Midiamax)

Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e prefeito Marquinhos Trad (PSD) assinaram, na tarde desta terça-feira (2), liberação de recursos para retomada das obras dos Residenciais Rio Pimentel I e II, paradas desde 2018, no jardim Centro-Oeste, região sul de Campo Grande.

Parte do Programa Minha Casa Minha Vida, os residenciais foram orçados em R$13,8 milhões, contemplando 260 famílias, mas a promessa de inauguração já se arrasta há anos.

Reinaldo e Marquinhos liberam recursos para retomada de obras na Capital
Obra chegou a virar pasto (Foto: Marcos Ermínio/Midiamax)

Uma reportagem do Jornal Midiamax mostrou como o residencial quase pronto se tornou um pasto, com direito a vacas, cavalos e até capim. Na ocasião, a Caixa afirmou que as obras estavam paradas devido a dificuldades financeiras da construtora contratada. Ela ainda afirmou que, com a retomada das obras, o prazo para a conclusão seria de cerca de quatro meses.

O residencial tinha previsão para entrega em 2015, mas as obras foram abandonadas mesmo 90% concluídas. O MPE-MS (Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul) chegou a instaurar um inquérito civil para investigar irregularidades na entrega do local e o Governo anunciou licitação para o asfalto no local no começo de 2018.

Vale lembrar que o atual déficit habitacional gira em torno de 42 mil famílias à espera do benefício da moradia social em Campo Grande. A poucos metros do residencial Rui Pimentel, há uma comunidade que vive em condições de vida precárias e sonha com uma casa para morar.

Jornal Midiamax