Política

Pelo Instagram, apresentador de TV de MS entra na briga entre Joice e Bolsonaro

Na briga entre a família Bolsonaro e Joice Hasselman (PSL-SP), teve até apresentador sul-mato-grossense dando opinião através do Instagram e defendendo a política. Joice perdeu o cargo de liderança do governo no Congresso e o posto pode ser dado ao filho do presidente da República, o deputado federal Eduardo Bolsonaro.  No Instagram, Joice divulgou um […]

Renata Volpe Publicado em 21/10/2019, às 11h22 - Atualizado às 13h57

Deputada federal de São Paulo repostou vídeo do apresentador de MS, Jota Abussafi. (Reprodução, Instagram)
Deputada federal de São Paulo repostou vídeo do apresentador de MS, Jota Abussafi. (Reprodução, Instagram) - Deputada federal de São Paulo repostou vídeo do apresentador de MS, Jota Abussafi. (Reprodução, Instagram)

Na briga entre a família Bolsonaro e Joice Hasselman (PSL-SP), teve até apresentador sul-mato-grossense dando opinião através do Instagram e defendendo a política. Joice perdeu o cargo de liderança do governo no Congresso e o posto pode ser dado ao filho do presidente da República, o deputado federal Eduardo Bolsonaro. 

No Instagram, Joice divulgou um vídeo de 53 segundos onde o apresentador Jota Abussafi, que comandava o programa Jota e Amigos, demonstra seu apoio, dizendo que ela é uma mulher honesta e trabalhadora. Na legenda do vídeo, a deputada escreveu estar recebendo manifestações de gente que pensa e produz em todo país.

Jota Abussafi diz ter votado e feito campanha para Bolsonaro. “Mas está sendo ridícula as aparições dele com o filho, filho mandando, uma imbecilidade completa”.

O apresentador fala que a família foi atacar Joice, que não foi eleita pelo Bolsonaro e é uma mulher de caráter e determinação. “Mais uma vez, a minha indignação é falar mal de uma mulher trabalhadora, chega a ser ridículo”.

Ele ainda falar que não mora em São Paulo, mas em Mato Grosso do Sul e volta a dizer estar indignado por falarem mal de uma mulher honesta e trabalhadora.

Guerra interna

Uma crise no PSL foi instaurada após o presidente Jair Bolsonaro, dizer que Luciano Bívar, que comanda o partido nacionalmente, estaria queimado.

O presidente deflagrou uma ofensiva para enfraquecer a ala do partido ligada a Bivar, no contexto de disputa por mais controle da legenda e do fundo eleitoral.

Mas, o movimento deu errado. Os bolsonaristas não conseguiram reunir apoio suficiente para emplacar o deputado federal, Eduardo Bolsonaro na liderança do partido e deixou exposta a dificuldade de articulação política do Planalto, que não conta com uma base congressual sólida.

A partir de então, o partido entrou em guerra. Joice, que foi contra a investida de Bolsonaro, foi destituída da liderança do governo na Câmara e a ala bivarista se fortaleceu: Carla Zambelli (SP), Filipe Barros (PR), Bibo Nunes (RS), Alê Silva (MG) e Carlos Jordy (RJ) tiveram as atividades parlamentaras suspensas por decisão do partido.

Jornal Midiamax