Deputados aguardam Passos para discutir emenda que centraliza investigações com PGJ

Os membros da Mesa Diretora da ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) aguardam o PGJ (Procurador-Geral de Justiça) Paulo Cézar dos Passos na próxima segunda-feira (18) para um diálogo sobre a emenda proposta por deputados que proíbe o chefe do MP-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) de delegar atribuições de […]
| 13/03/2019
- 15:18
Deputados aguardam Passos para discutir emenda que centraliza investigações com PGJ

Os membros da Mesa Diretora da ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) aguardam o PGJ (Procurador-Geral de Justiça) Paulo Cézar dos Passos na próxima segunda-feira (18) para um diálogo sobre a emenda proposta por deputados que proíbe o chefe do MP-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) de delegar atribuições de investigação a promotores.

A informação foi repassada pelo presidente do PSDB, deputado Rinaldo Modesto. “A justificativa da Casa para apresentar esta emenda é a simetria com a procuradoria federal, que não delega essas atribuições. É apenas para regulamentar a competência do procurador-geral de Justiça”, diz.

Além dele, Felipe Orro (PSDB) disse que vai comentar a emenda após a visita de Passos. O deputado Coronel David (PSL) não quis comentar sobre a assinatura que registrou na emenda.

A proposta de emenda ao projeto de Lei Complementar 001/2019, apresentado pelo MP-MS (Ministério Público Estadual), pode acabar centralizando no gabinete do chefe do órgão as investigações que podem implicar autoridades protegidas por .

Atualmente, a Portaria 772/2010 delega aos membros do Ministério Público de primeiro grau competência para promover inquéritos civis e ações civis públicas que seriam originalmente de competência do Procurador-Geral de Justiça. A Portaria é de autoria do ex-PGJ Paulo Alberto de Oliveira, que depois foi indicado desembargador no TJMS.

O projeto, encaminhado em fevereiro deste ano pelo procurador-geral de Justiça, Paulo Cézar dos Passos, apenas modifica o anexo da Lei Complementar nº 72, de 18 de janeiro de 1994 (Lei Orgânica do MP-MS) pedindo a transformação de cinco cargos de promotor de Justiça de primeira entrância em cargos de promotor de segunda entrância, e criando mais cinco cargos de promotor de segunda entrância, além de outros cinco de entrância especial.

No entanto, a emenda apresentada pelos deputados, a Lei Complementar passaria também a limitar a autonomia do PGJ para distribuir o poder de investigar casos que possam afetar políticos e agentes públicos com foro privilegiado.

Inconstitucional

Em resposta ao Jornal Midiamax sobre a emenda dos deputados, Passos alega que a proposta teria vício de inconstitucionalidade e se chocaria com a Lei Orgânica Federal do Ministério Público (art. 29, IX, da Lei Federal n. 8.625/93), ‘segundo entendimento deste PGJ’.

Passos enfatizou respeitar a independência do Poder Legislativo, contudo, declarou entender que a emenda não é possível por não ter pertinência temática com o projeto inicial.

Entendimento similar tem a ASMMP (Associação Sul-Mato-Grossense dos Membros do Ministério Público), que não descarta o ingresso de Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) caso seja aprovada.

(Matéria editada às 12h31 para correção de informação)

Veja também

Candidato ainda aguarda julgamento do pedido pela Justiça Eleitoral

Últimas notícias