Política

Governador quer apoio dos três poderes para destravar pautas que seriam importantes

Ainda em Brasília (DF), o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB) participa nesta quarta-feira (24) de reuniões com técnicos dos poderes executivo, legislativo e judiciário e apresentar a pauta de reivindicações definida por 24 gestores estaduais durante o Fórum de Governadores, que ocorreu na terça-feira (23). De acordo com o governador, os […]

Daiany Albuquerque Publicado em 24/04/2019, às 16h00 - Atualizado às 18h20

Governador Reinaldo Azambuja participou de reunião na terça-feira com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (Foto: Divulgação Subcom)
Governador Reinaldo Azambuja participou de reunião na terça-feira com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (Foto: Divulgação Subcom) - Governador Reinaldo Azambuja participou de reunião na terça-feira com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (Foto: Divulgação Subcom)

Ainda em Brasília (DF), o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB) participa nesta quarta-feira (24) de reuniões com técnicos dos poderes executivo, legislativo e judiciário e apresentar a pauta de reivindicações definida por 24 gestores estaduais durante o Fórum de Governadores, que ocorreu na terça-feira (23).

De acordo com o governador, os chefes do Executivo Estaduais condensados a pauta em seis itens, considerados primordiais para que os governos tenham condições de atender as demandas financeiras deste ano.

“É uma pauta condensada que precisa andar junto com a Reforma da Previdência, senão o país não retoma o crescimento”, declarou Reinaldo, por meio de sua assessoria. Na terça-feira o governador ainda participou de uma reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Além da reforma da previdência, os governadores buscam a apresentação do Plano Mansueto, a definição sobre o ressarcimento das perdas com a isenção de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) na exportação de produtos, a distribuição dos recursos obtidos com a cessão onerosa do pré-sal, a securitização das dívidas dos Estados (que possibilitaria aos estados obter crédito com aval da União), e a votação no Congresso Nacional da PEC 51 que define novas regras para o FPE (Fundo de Participação dos Estados).

“Nós vamos fazer um esforço coletivo para viabilizarmos esta pauta. Para tanto nos dias 8 e 9 de maio, os governadores, entre eles eu, voltaremos a Brasília para fazer reuniões com ministros de estado, no STF [Supremo Tribunal Federal] e na Câmara dos Deputados e Senado Federal”, concluiu o governador. (Com assessoria)

Jornal Midiamax