Política

Governador diz que Sérgio de Paula no TCE-MS ainda é ‘ilação’

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou que a possibilidade de indicar o secretário especial de Articulação Política Sérgio de Paula a uma vaga de conselheiro do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul) é ‘ilação’. “Primeiro que não tem vaga né. Pra qualquer pretensão teria que ter vaga. Isso pra mim […]

Danúbia Burema Publicado em 07/09/2019, às 11h16 - Atualizado às 16h17

Ex-secretário da Casa Civil e atual Secretário Especial Sérgio de Paula (Reprodução: PC de Souza/EDMS)
Ex-secretário da Casa Civil e atual Secretário Especial Sérgio de Paula (Reprodução: PC de Souza/EDMS) - Ex-secretário da Casa Civil e atual Secretário Especial Sérgio de Paula (Reprodução: PC de Souza/EDMS)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou que a possibilidade de indicar o secretário especial de Articulação Política Sérgio de Paula a uma vaga de conselheiro do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul) é ‘ilação’.

“Primeiro que não tem vaga né. Pra qualquer pretensão teria que ter vaga. Isso pra mim é ilação, nunca foi cogitado isso dentro do Governo”, afirmou o governador, em entrevista coletiva após o desfile de 7 de Setembro, no Centro de Campo Grande. Nos bastidores da Corte de Contas, entretanto, o que se cogita é a possibilidade de antecipação de aposentadoria para abertura de vaga para indicação do secretário.

Sérgio de Paula também é o presidente regional do PSDB. Sua esposa, Shirlei Suzini de Paula, consta na lista de testemunhas acionadas pela PF (Polícia Federal) nesta semana na força-tarefa realizada por ordem do STJ (Superior Tribunal de Justiça) como desdobramento da Operação Vostok.

Nenhuma menção

Deflagrada em setembro do ano passado, a operação investiga suposto esquema da JBS, delatado pelos irmãos Wesley e Joesley Batista, para pagamento de bois que não eram entregues e nem abatidos, por meio de notas frias, de forma a repassar propina para beneficiários em troca de benefícios fiscais na Sefaz-MS (Secretaria de Estado de Fazenda de Mato Grosso do Sul).

Conforme o governador, nenhuma das 110 pessoas chamadas para serem ouvidas neste semana mencionou seu nome. “Se você tiver acesso aos depoimento das pessoas, das mais de 110, você vai ver que nenhuma fala algo sobre o governador”, garantiu. Na avaliação dele, o inquérito seguirá ‘pelo mesmo caminho’ de denúncia anterior que foi arquivada pelo STJ. “Tentaram mostrar uma mentira la atrás, não conseguira, o STJ arquivou por 11 a zero uma denúncia contra mim e essa vai pelo mesmo caminho”, sentenciou.

Jornal Midiamax