Política

Votação paralela acontece em seis urnas no TRE-MS durante eleição neste domingo

O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) sorteou seis máquinas que serão utilizadas na auditoria de funcionamento das urnas eletrônicas na eleição deste domingo (7). São quatro de Campo Grande, uma de Sidrolândia e outra de Anastácio. As auditorias são adotadas pela Justiça Eleitoral como forma de confirmar a segurança da urna […]

Evelin Cáceres Publicado em 07/10/2018, às 12h33

Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul. (Foto: Marcos Ermínio )
Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul. (Foto: Marcos Ermínio ) - Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul. (Foto: Marcos Ermínio )

O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) sorteou seis máquinas que serão utilizadas na auditoria de funcionamento das urnas eletrônicas na eleição deste domingo (7). São quatro de Campo Grande, uma de Sidrolândia e outra de Anastácio.

Votação paralela acontece em seis urnas no TRE-MS durante eleição neste domingo
Urnas retiradas do local de votação para auditoria do TRE-MS (Foto: Marcos Ermínio)

As auditorias são adotadas pela Justiça Eleitoral como forma de confirmar a segurança da urna eletrônica. O sorteio ocorreu na manhã de ontem na sede do TRE-MS, em Campo Grande.

No Estado, serão auditadas seis urnas, sendo três para auditoria de funcionamento em condições normais de uso (votação paralela) e outras três para a auditoria de verificação da autenticidade e integridade dos sistemas (tempo real).

Na votação paralela, as urnas eletrônicas estão com carga de votação oficial e seriam utilizadas na votação deste domingo. Elas são retiradas do local de votação sendo substituídas por outras, que serão carregadas com os dados oficiais das urnas sorteadas.

O procedimento de votação paralela ocorre no dia e horário oficial da votação, sendo acompanhado por representantes de partidos políticos, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MS), do Ministério Público, além de empresa de auditoria externa.

Cédulas preenchidas previamente pelos partidos políticos e estudantes são digitalizadas em um sistema auxiliar e, em seguida, esses votos são digitados na urna eletrônica.

Depois, é feita a comparação do resultado da votação no sistema paralelo com o resultado registrado no boletim de urna. O objetivo é mostrar que a soma de votos dos candidatos encontradas na urna eletrônica corresponde ao resultado esperado. Todo o procedimento é filmado.

Tempo real

Já a auditoria em tempo real, que será realizada em urnas de Campo Grande, é feita na própria seção eleitoral, conduzida pelo juiz eleitoral e com a participação dos partidos políticos, Ministério Público, OAB e demais presentes.

Antes da impressão da zerésima (relatório que traz toda a identificação da máquina, comprova que nela estão registrados todos os candidatos e que não há nenhum voto computado, ou seja, a urna tem “zero voto”), é feito o procedimento para verificar a integridade dos sistemas instalados e então a urna é liberada para votação.

As urnas selecionadas estão na Escola Estadual 11 de Outubro, no bairro Jardim Bonança; na Escola Municipal Pe. Tomaz Ghirardelli, no Parque do Lageado; e na Escola Estadual Sebastião Santana de Oliveira, no Conjunto José Abrão.

Jornal Midiamax