Política

Simone diz que ditadura ‘não é a solução’ e que política ‘parou o Brasil’

Senadora fez apelo para caminhoneiros desmobilizarem paralisações

Aliny Mary Dias Publicado em 30/05/2018, às 15h43 - Atualizado às 17h15

None

A senadora Simone Tebet (MDB) defendeu nesta quarta-feira (30) que o Senado agilize aprovação de projetos que proporcionem redistribuição da carga tributária no Brasil. Além disso, em discurso nesta quarta-feira (30), a líder do MDB se dirigiu aos caminhoneiros afirmando que “ditadura não é nunca a solução num país democrático” e também que quem parou o Brasil foi a política.

Tebet fez apelo para que os caminhoneiros que seguem com paralisações pelo País se desmobilizem para evitar mais prejuízos à população que tem apoiado os atos. “Sem radicalismos, sem intervenção militar. Ditadura não é nunca a solução num país democrático”, disse.

A senadora propôs que seja incluída na pauta do Congresso, já na próxima semana, projetos que tratem sobre a redistribuição da carga tributária. Ela criticou o Senado por não ter votado a tempo a MP 806/2017 que alterava a tributação de fundos exclusivos de investimento, deixando a medida perder a eficácia.

“Se os fundos privados fossem taxados, teriam gerado aos cofres públicos cerca de R$ 10 bilhões por ano. Exatamente o valor necessário para cobrir a redução de R$ 0,46 sobre o litro do diesel”, comentou.

Simone também afirmou que além da indignação de caminhoneiros com tributos altos, há apoio popular com um sentimento “basta” e insatisfação. “Não foi a greve que parou o Brasil. Quem parou o Brasil foi a política. Não podemos nos esquecer que as reivindicações continuam, como diminuir a carga tributária da gasolina e do etanol. Além disso, outras classes já falam em paralisação. Precisamos dar respostas”, disse.

Jornal Midiamax