Política

‘Brasília não define meu caminho em MS’, diz presidente do DEM sobre conversa com ACM Neto

Presidente estadual do DEM e pré-candidato ao Senado, Murilo Zauith, afirmou nesta quarta-feira (18) que o encontro dos deputados federais com o presidente nacional do DEM, o prefeito de Salvador Antônio Carlos Magalhães Neto não definirá a aliança em Mato Grosso do Sul. “Os deputados federais Luiz Henrique Mandetta e a Tereza Cristina foram a […]

Evelin Cáceres Publicado em 18/07/2018, às 11h44 - Atualizado às 12h03

None

Presidente estadual do DEM e pré-candidato ao Senado, Murilo Zauith, afirmou nesta quarta-feira (18) que o encontro dos deputados federais com o presidente nacional do DEM, o prefeito de Salvador Antônio Carlos Magalhães Neto não definirá a aliança em Mato Grosso do Sul.

'Brasília não define meu caminho em MS', diz presidente do DEM sobre conversa com ACM Neto
O pré-candidato ao Senado Murilo Zauith

“Os deputados federais Luiz Henrique Mandetta e a Tereza Cristina foram a Brasília porque tem um encontro nacional com a bancada federal e com o presidente da nacional para definir se o partido apoia o Ciro Gomes ou o Alckmin. E isso não tem nada a ver aqui com o Estado. Brasília não define e nunca definiu o meu caminho em Mato Grosso do Sul”, garantiu.

A declaração vai de encontro com o que afirmou o deputado federal Mandetta ao deixar a reunião na noite desta terça-feira na Assembleia Legislativa com o deputado estadual Zé Teixeira, o articulador político do PSDB, ex-secretário Sérgio De Paula e o pré-candidato ao Senado Nelsinho Trad (PTB).

“Mais cedo, a deputada federal Tereza Cristina (DEM) levou as propostas do MDB. Amanhã devemos discutir com a nacional quais são as propostas formalizadas dos dois partidos para decidir qual a melhor composição para alianças”, explicou o deputado.

Para Murilo, a indecisão está no próprio partido, ainda indefinido por não saber qual a melhor composição para não deixar nenhum dos dois pré-candidatos a reeleição a deputados federais fora da Câmara Federal no ano que vem.

“Enquanto os deputados não se sentirem seguros com a reeleição deles dois, não fechamos aliança. E a insegurança é estar dentro de uma coligação que não possibilite isso. Se eles [parlamentares] soubessem qual é a melhor, já teriam fechado” diz Murilo.

O presidente afirma ainda que o DEM segue dividido sobre quem apoiar. “Estamos assim desde o começo, mas voltando de Brasília devemos ter essa definição. Afinal de contas, a campanha tem que começar”.

Jornal Midiamax