Política

Possível não de André pode levar PMDB à aliança com Reinaldo, diz deputado

Dirigente descarta Simone na disputa do governo

Ludyney Moura Publicado em 06/04/2017, às 16h01

Eduardo Rocha também assinou Congratulação ao Jornal Midiamax (Divulgação, Alems)
Eduardo Rocha também assinou Congratulação ao Jornal Midiamax (Divulgação, Alems) - Eduardo Rocha também assinou Congratulação ao Jornal Midiamax (Divulgação, Alems)

Dirigente descarta Simone na disputa do governo

O deputado estadual Eduardo Rocha, vice-presidente regional do PMDB e esposo da senadora Simone Tebet (PMDB), defendeu uma aliança, nas eleições de 2018, com o PSDB, caso o ex-governador André Puccinelli, principal nome do PMDB em Mato Grosso do Sul, decida ficar de fora da disputa pelo governo estadual.

“Se o André, que é o nosso candidato, não sair eu defendo que a gente faça aliança com Azambuja”, disse Rocha durante a sessão desta quinta-feira (6) na Assembleia Legislativa. Puccinelli ainda não atendeu aos apelos dos correligionários para voltar a disputar o governo.

Diferente de outros peemedebistas, como o presidente da Assembleia, Junior Mochi, presidente estadual do PMDB, e o deputado federal Carlos Marun, que defendem candidatura própria do partido, Eduardo abre possibilidade para uma aliança já ventilada na base governista no legislativo estadual.

Rocha ainda descartou a hipótese da esposa disputar contra Reinaldo as eleições do próximo ano. “Li matérias que estão falando dela como plano B. Ela não é plano B de ninguém, não é estepe de ninguém, tem que ficar no Senado”, disparou.

O deputado disse que o trabalho de Simone no Senado tem sido ‘reconhecido nacionalmente’, e no Congresso ela teria mais condições de ajudar o Estado.

O vice-presidente estadual do partido, que governou Mato Grosso do Sul entre 2007 a 2014 (com Puccinelli), ainda revelou que uma pesquisa de intenção de voto será encomendada pela sigla nos próximos dias. 

Jornal Midiamax