Prazo passa a valer após escolha dos membros do grupo

Será rápido a análise da comissão especial que será criada na Assembleia para investigar as denúncias da JBS contra o governador Reinaldo Azambuja, apenas 10 dias para apresentação do relatório após a escolha dos nomes que irão compor o grupo.

O deputado estadual Pedro Kemp (PT) explicou que uma lei federal de 1950 regulamenta o funcionamento do comissão especial que tem a prerrogativa de fazer apenas uma investigação prévia dos fatos denunciados.

Segundo petista, que também integra a CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação), a comissão terá a competência de requisitar oitivas, documentos e até realizar diligências.

Por ser o maior bloco da Casa, o PSDB indicará dois nomes para o grupo, o bloco liderado pelo PMDB (composto ainda por partido aliados com menor representatividade) indicará outros dois e caberá ao PT a última vaga.

Discussões

Para o líder da bancada tucana, deputado Beto Pereira (PSDB), a delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos do grupo JBS, pode criar a necessidade de investigação de todos os incentivos concedidos por Mato Grosso do Sul, já que a delação “colocou sob suspeição todos os frigoríficos, políticos e termos de incentivos concedidos a empresas”.

Já Kemp destacou que a JBS precisa prestar esclarecimentos ao país, uma vez que recebeu inúmeros incentivos e está inadimplente com a previdência social.