Política

Simone Tebet diz que Governo praticou crime continuado e estelionato eleitoral

Durante Comissão do Impeachment no Senado

Diego Alves Publicado em 03/05/2016, às 01h31

None
5204e47a-d977-49d3-a100-9e5daac910d4.jpg

Durante Comissão do Impeachment no Senado

A senadora Simone Tebet (PMDB) disse na tarde desta segunda-feira (2) durante Comissão do Impeachment no Senado, que a repetição de irregularidades nas contas públicas demonstra o agravamento da conduta do Governo. “Para mim, o que existe é um crime continuado, um estelionato eleitoral que serviu para pagar essa conta”, disse referindo-se à crise econômica.

Simone afirmou que, apesar da denúncia aceita pela Câmara se restringir às pedaladas fiscais e aos decretos de abertura de crédito suplementar de 2015, a repetição dos fatos, indicados pelo Tribunal de Contas da União na apreciação das Contas do Governo como possíveis irregularidades, demonstra o agravamento da conduta da Presidente da República. Simone reforçou que a irresponsabilidade fiscal prejudicou o País e vai impactar no futuro.

A senadora disse que na segunda fase do processo de impeachment, vai insistir na inclusão da análise das pedaladas de 2013 e 2014. Para Simone, a Constituição deixa claro que Dilma tem de ser julgada pelo exercício das funções de presidente da República e não apenas pelo que fez no segundo mandato.

Simone entende que não responsabilizar a presidente Dilma Rousseff pelos anos anteriores a 2015, representaria um ‘salvo conduto’, o que tornaria inócuo vários dispositivos da Lei de Responsabilidade Fiscal. 

Nesta segunda-feira (2), a Comissão do Impeachment ouviu o procurador Júlio Marcelo Oliveira, representante do Ministério Público Federal no Tribunal de Contas da União (TCU), o juiz José Maurício Conti e o advogado Fábio Medina Osório. Júlio Marcelo afirmou que o governo Dilma Rousseff praticou “fraude fiscal” e “contabilidade destrutiva”, o que provocou "deterioração" das contas públicas.

Jornal Midiamax