Política

Renan vai ‘ignorar’ anulação e manter votação que pode afastar Dilma dia 11

Leitura de parecer deve acontecer na tarde desta segunda

Ludyney Moura Publicado em 09/05/2016, às 16h22

None
26432721022_b54621ff8f_z.jpg

Leitura de parecer deve acontecer na tarde desta segunda

O presidente do Senado Federal, Renan Calheiros (PMDB-AL), deve ignorar a decisão do presidente da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), de anular a votação da admissibilidade do pedido de impeachment de Dilma Rousseff (PT), e manter ainda para esta segunda-feira (9) a leitura do parecer favorável ao afastamento da petista.

Procurada pelo Jornal Midiamax, a senadora Simone Tebet (PMDB) confirmou que Calheiros deve mesmo manter a tramitação normal do processo na Casa. Ela também criticou a decisão de Waldir Maranhão.Renan vai ‘ignorar’ anulação e manter votação que pode afastar Dilma dia 11

“Decisão de suspender impeachment é ilegal, imoral e uma afronta ao povo brasileiro. A decisão dos 367 deputados é válida. Tenho certeza de que o Senado continua com o processo hoje e o STF (Supremo Tribunal Federal) vai restabelecer a ordem”, disse senadora.

O presidente da Comissão Especial do Impeachment, senador Raimundo Lira (PMDB-AL), classificou de ‘política’ a decisão de Maranhão, e afirmou que não vê ‘efeitos práticos’ na decisão do presidente da Câmara.

“O presidente que presidiu a sessão da admissibilidade (Eduardo Cunha) estava no pleno exercício do seu direito, de suas funções. Ele foi afastado da função de presidente a posteriori. Não tem como mudar o calendário do tempo. Ele agora jamais poderia presidir uma sessão da Câmara dos Deputados. Mas à época, repito, ele estava no pleno exercício dos seus direitos constitucionais“, disse a pouco à Rádio Senado, Raimundo Lira.

O senador paraibano explica que o processo de impeachment seguiu na Câmara o rito previsto na Lei 1.079/1950 [Lei do Impeachment], o Regimento Interno e as normas determinadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Jornal Midiamax